Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(21 ago) Alexander Gauland participa de entrevista coletiva em Berlim

(afp_tickers)

O chefe da diplomacia alemã denunciou nesta segunda-feira as declarações de um líder do partido de direita nacionalista AfD, que pediu para "se livrar" de uma autoridade do governo de origem turca, chamando-as de "inaceitáveis" e de aludir ao Terceiro Reich.

As palavras de Alexander Gauland, um dos dois líderes do movimento anti-imigratório e anti-islã para as eleições legislativas de 24 de setembro, "recordam as piores lembranças deixadas pelo nosso país" na história, declarou o ministro das Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, citado por um de seus porta-vozes, Rainer Breul.

"Estes são erros verbais muito sérios, que não passam despercebidos na esfera internacional e são inaceitáveis ​​para nós democratas", acrescentou.

Durante um comício de campanha no final de semana em Eichsfeld, na Turíngia (leste), onde o AfD registra seus melhores resultados, Gauland criticou as declarações da secretária alemã para a Integração, Aydan Özoguz, que recentemente rejeitou a ideia da existência na Alemanha de uma "cultura de referência" que deva ser adotada pelos imigrantes.

"É uma germano-turca que o diz. Só temos que convidá-la para Eichsfeld e mostrar-lhe o que tem de especial na cultura alemã", lançou Gauland a seus seguidores, "então não voltará mais aqui e, graças a Deus, poderemos nos livrar dela em Anatólia".

A direita populista do AfD e também, em menor grau, a direita moderada do partido da chanceler Angela Merkel fizeram da "cultura de referência" alemã a ser respeitada pelos imigrantes um tema de campanha, em um contexto de chegada de milhares de demandantes de asilo em território alemão.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP