Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2000) Lars Von Trier e Bjork participam do Festival de Cannes

(afp_tickers)

A estrela pop islandesa Björk descreveu, nesta terça-feira (17), o assédio sexual de que foi vítima por parte de um "diretor dinamarquês", listando, sem nomear o autor, abraços e carícias contra a sua vontade durante a produção de um filme.

No último domingo, a cantora de 51 anos revelou no Facebook que havia sido assediada sexualmente durante as filmagens por um diretor dinamarquês, sem revelar seu nome ou o filme em questão.

Em uma nova mensagem postada nesta terça no Facebook, Björk narrou que o diretor "colocava seus braços em volta de mim por um longo tempo na frente de toda a equipe ou quando estava sozinho, e me acariciava por minutos contra a minha vontade".

"Depois de dois meses, quando eu disse que ele parasse de me tocar, ele explodiu e quebrou uma cadeira na frente de todos, como alguém que sempre foi autorizado a acariciar suas atrizes, e então todos nós voltamos para casa", escreveu ela.

Ela também afirmou que "durante toda a filmagem, sofreu propostas sexuais constrangedoras, paralisantes, sussurradas e inconscientes, descrevendo as cenas" que ele fantasiava.

Björk também relata uma noite em que o assediador tentou entrar em seu quarto pela varanda, com "uma intenção claramente sexual".

A cantora trabalhou em um único filme, "Dançando no Escuro", com o diretor dinamarquês Lars von Trier. Por seu papel, venceu o Festival de Cannes em 2000 na categoria Melhor Atriz.

Na segunda-feira, o diretor dinamarquês rejeitou as acusações.

"Não foi este o caso. Mas o fato é que realmente não éramos amigos", declarou o cineasta ao jornal dinamarquês Jyllands-Posten.

Björk se disse inspirada pelo dilúvio de revelações sobre escândalos sexuais envolvendo o produtor americano Harvey Weinstein.

No domingo, ela ressaltou que quando impediu "que o diretor tentasse alguma coisa, ele fez com que ela parecesse alguém problemática para toda a equipe".

"Isso corresponde bem aos métodos de Weinstein e de intimidação", acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP