Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos

(afp_tickers)

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, elogiou a nova trégua unilateral por um mês anunciada nesta quarta-feira pelas Farc, mas disse que é necessário mais, e pediu compromissos para acelerar os diálogos de paz com esta guerrilha.

"Apreciamos o gesto de cessar-fogo unilateral das Farc, mas é preciso mais, sobretudo compromissos concretos para acelerar as negociações", escreveu o presidente colombiano em sua conta do Twitter.

A guerrilha comunista das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em negociações de paz com o governo de Santos desde novembro de 2012, que ocorrem em Cuba sem um cessar-fogo unilateral em terra, disse nesta quarta-feira que ordenará um cessar-fogo unilateral por um mês a partir de 20 de julho, acolhendo um apelo dos quatro países que acompanham o processo de paz.

Na terça-feira, Cuba e Noruega, fiadores dos diálogos, e Chile e Venezuela, acompanhantes das negociações, fizeram um apelo às partes por uma desescalada urgente do conflito armado colombiano de mais de meio século, que se intensificou nas últimas semanas com dezenas de baixas nos dois grupos e danos à infraestrutura e ao meio ambiente.

A guerrilha das Farc, principal grupo rebelde da Colômbia, nascida em 1964 de uma insurreição e com 8.000 combatentes, segundo estimativas oficiais, manteve uma trégua unilateral de dezembro passado a 22 de maio, quando foi levantada após a morte de 26 guerrilheiros em um bombardeio ordenado pelo governo.

A ofensiva militar aérea, suspensa em março por Santos por pouco mais de um mês, foi reiniciada depois que uma emboscada das Farc em abril deixou 11 militares mortos.

AFP