Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro boliviano das Relações Exteriores, David Choquehuanca, participa de coletiva de imprensa, em La Paz, no dia 3 de agosto de 2016

(afp_tickers)

A chancelaria boliviana classificou nesta segunda-feira de "precipitada" a reação do novo governo do Brasil, que criticou a decisão de La Paz de chamar seu embaixador para consulta, após o impeachment de Dilma Rousseff.

O ministro David Choquehuanca disse à AFP que "são precipitadas as declarações de nosso irmão chanceler" do Brasil, José Serra, que afirmou que a Bolívia usa o conflito político brasileiro para distrair sua população dos problemas internos e que La Paz deu um "tiro no pé", ao chamar seu embaixador para consultas.

A Bolívia criticou o impeachment de Dilma e se uniu a outros países que integram a Alba, como Venezuela, Equador e Nicarágua, que expressaram ser contrários ao processo parlamentar que tirou a ex-presidente do poder.

"Eu não sei, por que essas declarações, todos os presidentes podem chamar seus embaixadores para consulta, porque querem ter informação direta", afirmou o chefe da diplomacia boliviana, que esclareceu que seu governo não retirou seu embaixador em Brasília, como fez a Venezuela.

O embaixador boliviano José Kinn já se encontra na Bolívia, confirmou Choquehuanca, que informou que não dará qualquer explicação ao país vizinho. "Ninguém tem que explicar nada a ninguém, não temos por que dar explicações a alguém, soberanamente os países decidem convocar seus embaixadores", afirmou.

"Às vezes a pessoa se emociona, não se controla, sai do controle, isso acontece com todas as pessoas, com as autoridades, com os dirigentes de futebol, com os sindicatos, e depois basta refletir".

Perguntado pela AFP se o novo cenário político no Brasil e as críticas de La Paz ao impeachment afetariam a nova negociação bilateral em andamento para ampliar um contrato de compra-venda de gás, Choquehuanca disse esperar que isso não aconteça.

Bolívia e Brasil estão unidos por uma fronteira comum de 3.133 quilômetros e parte das receitas econômicas bolivianas dependem de seus 30 milhões de metros cúbicos diários de gás que vão, principalmente, para São Paulo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP