Navigation

Bolívia e OEA acertam auditoria da polêmica eleição presidencial

Homem passa na frente de um grafite contrário ao presidente Evo Morales e ao candidato da oposição Carlos Mesa em uma rua de La Paz afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. outubro 2019 - 13:32
(AFP)

A Bolívia e a OEA concordaram nesta quarta-feira em realizar uma auditoria das polêmicas eleições presidenciais que deram o presidente Evo Morales como vencedor, informou o ministro das Relações Exteriores Diego Pary, detalhando o processo que poderá começar nesta quinta-feira.

"Concluímos o trabalho de coordenação, concluímos os acordos a serem assinados entre a Bolívia e a Organização dos Estados Americanos, para que a auditoria abrangente das eleições gerais de 20 de outubro possa ser realizada", afirmou Pary em comunicado à imprensa em La Paz.

O ministro das Relações Exteriores acrescentou que a auditoria será "vinculante" e "poderá começar na quinta-feira, dia 31" após a chegada de cerca de 30 técnicos da agência multilateral.

A entidade eleitoral deu a Morales a vitória no primeiro turno com 47,08% dos votos, comparado ao oponente Carlos Mesa com 36,51%, uma vantagem de 10 pontos que, segundo a lei, define o vencedor sem necessidade de um segundo turno.

Mas, de acordo com as alegações dos adversários sobre uma manipulação do sistema de contagem rápida do Supremo Tribunal Eleitoral - que inicialmente previa um segundo turno entre Morales e Mesa -, La Paz realizou negociações com a OEA em busca de ajuda para a questão.

Um segundo sistema oficial de contagem definitiva finalmente deu a reeleição a Morales, no poder desde 2006.

Os protestos denunciando fraude se intensificaram, com a queima de centros eleitorais, greves e bloqueios; enquanto a própria OEA, a União Europeia e os países da região recomendaram uma segunda votação para acabar com as tensões.

O opositor Mesa, um centrista que já foi presidente entre 2003 e 2005, disse na terça-feira que só aceitaria a auditoria "se (Morales) estivesse disposto a não aceitar o resultado do Supremo Tribunal Eleitoral".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.