Navigation

Bolívia entrega presidência pro tempore na Unasul ao Brasil

Ministro das Relações Exteriores da Bolívia, Diego Pary, em 14 de janeiro de 2019, em San Salvador afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. abril 2019 - 20:12
(AFP)

A Bolívia informou nesta segunda-feira (15) que passou ao Brasil a presidência pro tempore da Unasul, organização imersa em uma crise pela decisão de vários países de abandonar ou suspender sua participação neste bloco, criado há 10 anos.

O ministro boliviano das Relações Exteriores, Diego Pary, anunciou que "cumprimos o período anual que cabe à Bolívia e hoje (segunda-feira) comunicamos à República Federativa do Brasil para que possa dar início à presidência pro tempore".

A Bolívia assumiu a presidência do grupo em 12 de abril de 2018 e um ano depois, de acordo com os regulamentos, entregou o posto ao país que acontece em ordem alfabética.

A União das Nações Sul-Americanas (Unasul), nascida em 2008 em meio a governos de esquerda na região, está paralisada desde que, em 2017, não escolheu um sucessor para o colombiano Ernesto Samper.

Além disso, a Colômbia retirou-se da Unasul, Argentina e Equador informaram ter deixado o bloco, enquanto Brasil, Chile, Peru e Paraguai anunciaram a suspensão de sua participação.

O grupo foi reduzido a Bolívia, Guiana, Suriname, Uruguai e Venezuela.

A Argentina, ao comunicar sua saída na semana passada, disse que a Unasul está passando por uma "crise", enquanto o Equador pediu a devolução da sede em Quito, para entregá-la a uma universidade indígena.

Pary disse que "o procedimento estabelecido pelo tratado constituinte (da Unasul) deve ser seguido se (algum país) quiser efetuar a retirada da agência", mas "são os Estados-membros que vão decidir qual é o destino que esta organização deve ter".

O chefe da diplomacia boliviana também disse que "a partir da data será a decisão do Brasil quem decide os ritmos, as atividades e quem o destino da Unasul".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.