Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro boliviano da Economia, Mario Guillén, em Mendoza, em 20 de julho de 2017

(afp_tickers)

A Bolívia tem um "colchão financeiro" de 14 bilhões de dólares para atenuar os efeitos recessivos da crise internacional sobre sua economia, informou nesta sexta-feira o Banco Central (BCB).

"A Bolívia tem colchões financeiros representados, em primeiro lugar, pelas reservas internacionais e que somados a outros ativos externos em moedas estrangeiras equivalem a 14 bilhões de dólares", indicou o presidente do BCB Pablo Ramos.

No sentido contrário das previsões da oposição, que antecipa uma crise na Bolívia, Ramos disse que o governo conta "com respaldo financeiro suficiente em dólares e em moeda local".

Sobre a aparente necessidade que o país tem de modificar sua paridade cambiária, estagnada desde 2011, para ser mais competitivo no comércio internacional, Ramos apontou que a moeda nacional vai manter sua estabilidade.

"A política cambiária vai se manter com o objetivo de estabilidade, queremos retirar quaisquer dúvidas que possam ser criadas por aqueles opinadores que, amparando-se em argumentos técnicos internacionais, ou em certa informação incompleta ou distorcida, indicam que a Bolívia deveria desvalorizar, naquele conceito do tipo de câmbio deslizante", apontou.

"Estabilidade é o que o povo boliviano quer, e isso vai ser garantido", completou.

O ministro de Economia, Mario Guillén, reiterou há dias que a previsão oficial de crescimento para 2017 é de 4,7%.

O presidente Evo Morales destaca em suas intervenções públicas que os índices de crescimento econômico do país estão entre os mais altos da região.

Segundo o último registro oficial, o Produto Interno Bruto (PIB) da Bolívia cresceu 3,3% no primeiro trimestre do ano após uma redução das vendas de gás natural ao Brasil.

O ex-ministro da Economia, Luis Arce - uma peça-chave do governo desde que Morales chegou ao poder, em 2006, até sua substituição em junho passado - garantiu que o PIB vai crescer 4%.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP