Navigation

Bolívia terá eleições presidenciais em 3 de maio

Legisladores bolivianos elegem membros do Tribunal Eleitoral, em 18 de dezembro de 2019, em La Paz. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. janeiro 2020 - 23:31
(AFP)

A Bolívia vai eleger seu presidente no domingo, 3 de maio, mais de seis meses depois das polêmicas eleições que provocaram uma convulsão social que resultou na renúncia de Evo Morales e na posterior posse de Jeanine Áñez como presidente interina.

"No domingo 3 de maio, os cidadãos vão votar para eleger a presidência e a Assembleia Legislativa", confirmou em entrevista coletiva o presidente do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), Salvador Romero.

O TSE precisou que um eventual segundo turno ocorrerá no prazo de até 45 dias após a primeira votação.

"Espero que possamos concluir com isto o que todos os bolivianos desejam: eleições transparentes e justas", disse Áñez após o anúncio.

A Bolívia voltará às urnas após as eleições de 20 de outubro, vencidas pelo então presidente, Evo Morales, que renunciou em meio a denúncias de fraude, confirmadas pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

As autoridades do TSE na ocasião acabaram detidas por envolvimento em fraude eleitoral, enquanto Morales fugiu do país e agora está asilado na Argentina.

No momento há vários pré-candidatos, e o líder nas pesquisas é o jovem líder "cocalero" Andrónico Rodríguez, considerado o herdeiro político de Morales, com 23% das intenções de voto, seguido pelo ex-presidente Carlos Mesa, com 21%, segundo colocado na eleição de outubro.

Rodríguez ainda aguarda a decisão final do Movimento aos Socialismo (MAS), diante da pretensão de outro candidato do partido de Morales, o ex-chanceler David Choquehuanca.

Morales informou que no próximo dia 19 anunciará, em Buenos Aires, qual será a chapa presidencial do MAS.

Os líderes civis regionais Luis Fernando Camacho e Marco Antonio Pumari, fundamentais nos protestos que derrubaram Morales, aparecem com 13% e 10% das intenções de voto, respectivamente, mas acertaram uma aliança e devem lançar uma chapa comum.

O pastor evangélico de origem coreana Chi Hyung Chung aparece nas pesquisas com 8%, à frente do empresário Samuel Doria Medina e do ex-presidente de direita Jorge Quiroga.

Um dos problemas pendentes é a ampliação do mandato da presidente interina e dos atuais parlamentares até a posse dos futuros eleitos.

O mandato de cinco anos dos parlamentares acaba em 22 de janeiro. A ideia é que os legisladores continuem no cargo até a formação do novo Parlamento.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.