Navigation

Bolsonaro e Temer se reunirão em Brasília na quarta-feira

(Combo) Michel Temer e Jair Bolsonaro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. novembro 2018 - 20:43
(AFP)

O presidente eleito Jair Bolsonaro se reunirá na quarta-feira com Michel Temer em Brasília, anunciou nesta sexta-feira (2) seu futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

"Na terça, ele vai para Brasília. Na quarta, vai encontrar às 16h00 com o presidente Temer", afirmou aos jornalistas Lorenzoni, na saída de uma reunião com Bolsonaro em sua casa, no Rio de Janeiro.

A viagem para Brasília será a primeira feita pelo presidente de extrema direita desde a sua eleição no último domingo, quando obteve 55% dos votos no segundo turno, contra o candidato do PT, Fernando Haddad (45%).

Após saber dos resultados, Temer telefonou para quem será o seu sucessor a partir de 1º de janeiro para parabenizá-lo.

"Pude perceber seu entusiasmo não só quando conversou comigo como agora, quando fez declarações que buscam unidade, pacificação do país, harmonia do país, e é algo que todos desejam e posso dizer que ele buscará precisamente", afirmou no domingo.

Onyx Lorenzoni não deu mais detalhes sobre a reunião desta sexta.

"Neste momento de transição, é hora de falar menos e trabalhar muito", respondeu à imprensa.

Na primeira semana desde a eleição de Bolsonaro, os nomes de cinco futuros ministros foram revelados.

O mais recente, e que teve grande impacto na mídia, foi o do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato e autor da condenação do ex-presidente Lula, que aceitou na quinta-feira o cargo de ministro da Justiça.

Antes, o astronauta Marcos Pontes havia sido designado à frente da pasta de Ciência e Tecnologia, o general do Exército na reserva Augusto Heleno Ribeiro para a Defesa, Lorenzoni para a Casa Civil e o economista liberal Paulo Guedes dirigirá um superministério da Economia.

Nesta sexta-feira de manhã, Bolsonaro recebeu a visita de um alfaiate, que tirou as suas medidas para o terno que usará durante a cerimônia de posse, em 1º de janeiro de 2019, em Brasília.

"Ele pediu um termo clássico, azul marinho, de tecido italiano, fio 150. A camisa vai ser branca e a gravata é surpresa", adiantou o alfaiate Santino Gonçalves, citado pelo site G1.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.