Navigation

Bolsonaro recua sobre fusão de Agricultura com Meio Ambiente

O presidente eleito Jair Bolsonaro deu a entender que poderá rever seu plano de fundir os ministérios da Agricultura e Meio Ambiente, após críticas de vários setores. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. novembro 2018 - 22:45
(AFP)

O presidente eleito Jair Bolsonaro deu a entender nesta quinta-feira que poderá rever seu plano de fundir os ministérios da Agricultura e Meio Ambiente, após críticas de vários setores.

"Tivemos esta ideia (...), mas parece que será modificada. Tudo indica que serão dois ministérios diferentes", disse Bolsonaro em entrevista no Rio de Janeiro.

"Os próprios ruralistas acharam que não é o caso, para evitar pressões internacionais, entre outras coisas, e eu falei que estou pronto para voltar atrás", revelou Bolsonaro em outra entrevista.

Em todo o caso, quem comandar o ministério do meio ambiente "será uma pessoa que não vai botar ninguém lá por pressão de ONGs". "Nós queremos preservar o médio ambiente, mas não da forma como vem sendo feito ultimamente".

O futuro ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, havia anunciado na quarta-feira a fusão dos dois ministérios.

A fusão, anunciada durante a campanha, gerou críticas por parte de organizações ecologistas, do atual ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, e do próprio setor do agronegócio, que teme represálias comerciais da comunidade internacional, preocupada com a preservação ambiental.

Os dois ministérios "têm agendas próprias" e "fragilizar a autoridade representada pelo ministério do Meio Ambiente em um momento em que a preocupação com a crise climática se intensifica seria temerário", declarou Edson Duarte na véspera.

O atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, avaliou que a unificação traria "prejuízos incalculáveis" ao agronegócio brasileiro, gerando problemas para o futuro titular pela diversidade de áreas que tem cada ministério.

"Como um ministro da Agricultura vai opinar sobre um campo de petróleo ou a exploração de minerais?!" - questionou Maggi, um poderoso produtor de soja de Mato Grosso.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.