Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Desde a intervenção da coalizão árabe em março de 2015 para apoiar as forças governamentais contra os rebeldes huthis em amplas zonas do Iêmen o conflito no país causou mais de 8.500 mortos, entre eles 1.700 crianças, de acordo com a ONU

(afp_tickers)

Uma bomba de fabricação americana, utilizada pela coalizão árabe liderada por Riad no Iêmen matou várias crianças e deixou uma menina órfã em Sanaa, informou a Anistia Internacional nesta sexta-feira (22).

A ONG fez a análise a partir dos vestígios da bomba que destruiu dois edifícios no dia 25 de agosto em Faj Attan, bairro residencial no sul da capital, matando 16 pessoas, entre essas sete crianças.

"Podemos dizer de forma definitiva que a bomba que matou os pais de Buthaina, seus irmãos e irmãs, assim como outros civis, foi fabricada nos Estados Unidos", declarou Lynn Maalouf, diretora de investigação da Anistia Internacional para o Oriente Médio.

Ela falava de uma menina de cinco anos, cuja foto percorreu o mundo após a morte de sua família em um bombardeio.

Um dia depois do ataque, a coalizão árabe reconheceu sua responsabilidade e qualificou o ocorrido como "erro técnico".

Desde a intervenção da coalizão árabe em março de 2015 para apoiar as forças governamentais contra os rebeldes huthis em amplas zonas do Iêmen, incluindo a capital, o conflito no país causou mais de 8.500 mortos, entre eles 1.700 crianças, de acordo com a ONU.

A coalizão árabe foi acusada em inúmeras ocasiões de matar civis em bombardeios.

Em dezembro de 2016, os Estados Unidos cancelou a entrega de bombas guiadas à Arábia Saudita para protestar contra o número de vítimas civis no Iêmen.

Porém, desde então, o presidente americano Donald Trump aumentou o apoio militar a Riad e, durante a sua visita a Arábia Saudita em maio, anunciou ter firmado um contrato de armas entre ambos os países no valor de 110 bilhões de dólares.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP