Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma parte da cerca fronteiriça vista do lado mexicano, em 25 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

O governo brasileiro disse nesta quinta-feira (26) que está "preocupado" com a intenção do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de construir um muro na fronteira com o México.

"A grande maioria dos países da América Latina mantém estreitos laços de amizade com o povo dos Estados Unidos. Por isso, o governo brasileiro recebeu com preocupação a ideia da construção de um muro para separar nações irmãs do nosso continente sem que haja consenso entre ambas", indicou o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

Os problemas "entre povos amigos – como é o caso de Estados Unidos e México – devem ser solucionados pelo diálogo e pela construção de espaços de entendimento", acrescentou a nota.

Trump assinou na quarta-feira (25) um decreto no qual autoriza a construção de um muro ao longo dos 3.200 km da fronteira entre ambos os países para frear a entrada de imigrantes ilegais.

Para financiar sua construção, o governo de Trump adiantou que taxará os produtos importados do México em 20%.

O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, condenou a medida e cancelou uma visita a Washington depois que Trump publicou em sua conta no Twitter: "Se o México não quiser pagar o muro que tanto precisamos, melhor cancelar sua próxima visita".

O Brasil havia demonstrado, após a eleição de Trump, certa expectativa de que as relações entre Brasília e Washington se estreitassem.

O presidente Michel Temer disse na época estar convencido de que o polêmico magnata manteria uma boa relação com o Brasil.

Temer também considerou que as previsíveis tensões com o México poderiam levar Washington a privilegiar as relações com o resto da América Latina e com Brasília, em especial.

AFP