Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Cesare Battisti

(afp_tickers)

O Brasil analisa a possível extradição de Cesare Battisti, solicitada pela Itália, informou nesta sexta-feira (6) uma fonte do governo, 48 horas depois de o ex-militante de extrema esquerda ser preso ao tentar ir para a Bolívia com uma quantia de dinheiro em espécie.

Condenado à prisão perpétua na Itália por quatro assassinatos cometidos nos anos 1970, Battisti foi detido no Mato Grosso do Sul e um juiz federal decretou a sua prisão preventiva por suspeitar que tentava fugir para evitar ser entregue ao seu país.

"O presidente aguarda a manifestação do Ministério da Justiça e do Ministério das Relações Exteriores para tomar uma decisão", disse à AFP a fonte do Palácio do Planalto que pediu para não ser identificada.

Este novo capítulo de uma longa saga com questões diplomáticas e judiciais começou na quarta-feira durante uma inspeção de rotina na cidade de Corumbá, fronteiriça com a Bolívia, quando a polícia prendeu Battisti e outros dois homens levando 6.000 dólares e 1.300 euros sem declarar.

"O contexto geral da ocorrência faz concluir, ao menos em caráter provisório, que Cesare Battisti procurava se evadir do território nacional, temendo ser efetivamente extraditado", disse o juiz federal Odilon de Oliveira na sentença de prisão preventiva emitida na quinta-feira e à qual a AFP teve acesso.

"O fato de o custodiado estar se dirigindo a território estrangeiro, sem autorização do governo brasileiro (...) deve ser levado em consideração", acrescentou, fazendo alusão à condição de refugiado de Battisti, enquanto investiga um possível crime de evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Desde quarta-feira o ex-militante de 62 anos convertido em escritor passa suas horas em uma delegacia sem condições para o cumprimento de longas condenações.

"Estamos esperando que o transfiram para um presídio logo. Aqui não há estrutura para ele ficar", disse à AFP um assessor da polícia desse distrito.

- Pesca, jaqueta e vinho -

Vestido com uma camiseta polo verde e com evidentes sinais de cansaço, Battisti declarou ao juiz que o dinheiro que levava era produto de seus direitos autorais obtidos na França e no Brasil, e que sua intenção era comprar artigos de pesca, uma jaqueta de couro e vinho no Shopping China, que acreditava ficar em uma "zona internacional" que não pertencia à Bolívia.

"Nunca tive intenção de sair do Brasil", disse por videoconferência, segundo o material disponibilizado pelo tribunal.

Battisti, que falou em português com um forte sotaque italiano, disse ter rendimentos mensais entre 8.000 e 10.000 reais e que se divorciou da mãe de seu filho mais novo, ambos de nacionalidade brasileira.

"Sinceramente, Excelência, eu nunca tive conhecimento que uma quantidade assim modesta de dinheiro... [que] com essa quantidade eu estava cometendo um delito", apontou.

Ex-integrante do grupo Proletários Armados pelo Comunismo, Battisti foi preso em junho de 1979, mas fugiu da prisão e foi para a França em 1981 e depois para o México, antes de voltar à França.

Após 15 anos beneficiado pela política do presidente socialista François Mitterrand de não extraditar nenhum militante de extrema esquerda que tivesse renunciado à luta armada, Battisti fugiu para o Brasil em 2004, durante o governo do conservador Jacques Chirac.

Em 2007, foi capturado no Rio e ficou quatro anos na cadeia, antes de ser libertado em 2011.

Em 2009, a pedido de Roma, o Supremo Tribunal Federal autorizou a sua extradição, mas esta foi negada em 2010 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva no último dia de seu segundo mandato.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP