Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente brasileiro, Michel Temer, em São Paulo, em 4 de abril de 2017

(afp_tickers)

Policiais de Brasil e Bolívia revisarão nesta sexta-feira o "modus operandi" do Comando Vermelho (CV) e do Primeiro Comando da Capital (PCC), após os assaltos milionários registrados nos territórios boliviano e paraguaio, informou nesta quinta-feira uma fonte oficial.

"Queremos passar as informações que temos às polícias dos dois países. Estudar o 'modus operandi', seu procedimento, o que podem estar desenvolvendo estas organizações", assinalou o ministro boliviano do Interior, Carlos Romero, citado pelo site do jornal La Razón.

O encontro ocorrerá na cidade boliviana de Santa Cruz e com base nas informações compartilhadas será formulado um plano para operações coordenadas e sincronizadas "muito contundentes".

No dia 31 de março passado, um grupo de criminosos assaltou um carro-forte da transportadora de valores Brinks no departamento de Santa Cruz, na fronteira com o Brasil, levando cerca de 700 mil dólares.

Na paraguaia Ciudad del Este, um grupo de 50 criminosos assaltou a sede da Prosegur, no dia 24 de abril, levando 8 milhões de dólares.

Nos dois casos a polícia atribuiu a ação ao PCC.

O vice-ministro boliviano do Interior, Carlos Aparicio, assinalou que na Bolívia também foram detectadas ações do Comando Vermelho, como o ataque a uma joalheria, sequestros e extorsões na cidade amazônica de Cobija, na fronteira com o Brasil.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP