Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(29 ago) Manifestante protesta contra Dilma em Brasília

(afp_tickers)

O Brasil terá um novo presidente na tarde desta quarta-feira se o Senado votar pelo impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, uma decisão histórica, que colocaria fim a um ciclo de 13 anos de governo de esquerda.

Dilma deverá fazer uma declaração à imprensa às 13H00 após a votação, segundo indicou um de seus assessores.

Imediatamente depois do voto dos 81 senadores, o vice-presidente e atual presidente interino Michel Temer assumirá a presidência de forma definitiva.

Temer prestará juramento e em seguida viajará para a China para participar da Cúpula do G20 já como presidente empossado.

"O Brasil passou por um período difícil de disputas políticas, mas a Constituição foi cumprida. Quando o presidente é afastado do cargo, assume o vice-presidente porque, no final, este é seu papel", indicou ao jornal O Globo.

Temer chegará à presidência com uma popularidade de 13%, tão baixa quanto a de sua antecessora.

A votação porá fim a uma sangria política que há nove meses domina a vida política da maior economia da América Latina, confrontada com sua pior crise em 80 anos e mergulhada em um mar de escândalos de corrupção.

Se o impeachment for aprovado, será um final inesperado para a primeira mulher a chegar à presidência brasileira, depois de ter sido suspensa em maio sob acusações de maquiar as contas públicas para assegurar sua reeleição em 2014.

"A possibilidade de Dilma não ser destituída é quase nula. Hoje as chances de que seja destituída são de 99%", opina Adriano Codato, professor e analista da Universidade do Paraná.

Temer, por sua vez, não terá muito o que celebrar depois de assumir a presidência.

Com o desemprego em níveis recordes, inflação roçando os dois dígitos (a maior em 13 anos) e um enorme déficit fiscal, a economia brasileira deve se contrair 3,27% este ano. O Brasil se encaminha para seu primeiro biênio recessivo desde a década de 30.

Além disso, seu nome também aparece nas delações premiadas relativas ao Petrolão, mas ele nega qualquer ligação com o megaescândalo e ainda não teve acusações da justiça apresentadas contra ele.

- Remédio -

Entre lágrimas, ofensas e referências a Deus, o Senado brasileiro expôs seus argumentos finais até a madrugada desta quarta-feira.

"O impeachment é um remédio constitucional ao qual nós precisamos recorrer quando a situação se revela especialmente grave, que é o que aconteceu", disse a advogada da acusação Janaína Paschoal.

"Foi Deus que fez que, ao mesmo tempo, várias pessoas percebessem o que estava acontecendo no país", acrescentou esta advogada em seus argumentos para provar que a primeira mulher a presidir o Brasil violou a Constituição ao manipular as contas públicas e que, por isso, deve deixar a presidência.

Mas o advogado de defesa da presidente, o ex-ministro José Eduardo Cardozo, destacou que uma destituição de Dilma Rousseff seria "uma pena de morte política".

"Canalhas, canalhas, canalhas", criticou o senador Roberto Requião, do PMDB-PR, defensor de Dilma, que fez alusão ao golpe de Estado contra João Goulart em 1964.

A sessão do Senado foi encerrada por volta das 02H30 desta quarta-feira, após mais de 14 horas de discursos de senadores, e os trabalhos serão retomados às 11H00 para a votação final.

Em São Paulo, centenas de manifestantes protestaram contra o impeachment e voltaram a enfrentar a polícia, que deteve quatro pessoas.

- Legitimidade -

"Dilma vai entrar para a História como uma figura ambígua: será vista como uma vilã do ponto de vista da gestão, foi uma governante ruim, que errou muito, que não soube dialogar com o Congresso, que é responsável, em parte, pela economia e tudo isto será atribuído a ela", afirmou à AFP Michael Mohallem, analista da Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro.

"Também vai haver uma leitura sobre o processo em si, que foi usado instrumentalmente para favorecer um grupo político, para levar Michel Temer e o PMDB ao poder de um modo não tão legítimo como seriam as urnas", acrescentou.

Os escândalos atingem toda a classe política e a elite brasileira, tanto de esquerda quanto de direita.

E neste julgamento político emergiram, mais do que nunca, as perguntas sobre a legitimidade que este Senado pode ter para emitir um veredicto, quando mais da metade dos seus membros estão envolvidos ou investigados por casos de corrupção.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP