Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os chanceleres brasileiro, Aloysio Nunes Ferreira (D), e paraguaio, Eladio Lozaiga (E), posam para fotos no Ministério Paraguaio das Relações Exteriores, em Assunção

(afp_tickers)

Brasil e Paraguai se comprometeram nesta segunda-feira a avançar no projeto de construção de duas pontes internacionais para fortalecer sua relação bilateral, durante uma visita do chanceler Aloysio Nunes à Assunção.

Um mês após assumir o cargo, no lugar de José Serra, o chanceler foi recebido pelo presidente do Paraguai, Horacio Cartes, e por seu ministro das Relações Exteriores, Eladio Loizaga.

Os dois chanceleres firmaram um memorando de entendimento para avançar com dois projetos de pontes internacionais, um sobre o rio Paraná, no leste, e outro sobre o Paraguai, no norte.

"O governo brasileiro está empenhado em fazer ajustes no Orçamento para fortalecer a relação bilateral, que tem entre suas prioridades uma ponte internacional sobre o rio Paraná", disse Loizaga em entrevista coletiva.

Aloysio Nunes destacou que o Brasil "está saindo de uma profunda crise econômica, mas isto não impedirá o crescimento do comércio bilateral".

Os diplomatas também conversaram sobre a hidroelétrica de Itaipú, a mais potente do mundo, que os dois países compartilham sobre o rio Paraná, que Nunes qualificou como o "maior símbolo da capacidade de entendimento" entre as duas nações.

O Brasil é o principal parceiro comercial do Paraguai e o segundo maior investidor no país, destacou o chanceler brasileiro.

Sobre o Mercosul, Nunes afirmou que "existe vontade para que volte a suas origens de livre comércio e para acordos com outros blocos, como União Europeia e outros países".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP