Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Ativistas partidários ao impeachment protestam em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, no dia 16 de abril de 2016

(afp_tickers)

A 100 dias do começo dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, os estádios estão prontos para receber os deuses do Olimpo, mas cresce a preocupação pela queda do Brasil ao inferno, asfixiado por uma gravíssima crise política e econômica.

Todos os holofotes apontam neste momento para Brasília, enquanto os últimos retoques para a preparação dos primeiros Jogos Olímpicos na América do Sul são acompanhados com indiferença.

O terremoto político que sacode o país deixa em segundo plano as preocupações com os atrasos nas obras do metrô, com a ameaça do vírus zika ou com a contaminação da Baía da Guanabara, onde será realizada a competição de vela.

O rei do atletismo mundial, Usain Bolt, ganhará as últimas medalhas de ouro de sua carreira sob a benção do Cristo Redentor?

Na verdade, o que os brasileiros se perguntam agora é se será a impopular presidente Dilma Rousseff, à beira do impeachment, ou o "conspirador" vice-presidente, Michel Temer, que irá declarar, no Maracanã, a abertura dos Jogos Olímpicos no dia 5 de agosto a milhões de telespectadores do mundo todo.

A instabilidade política, a crise econômica, a imprevisível evolução do enorme escândalo de corrupção da Petrobras e a desconfiança dos brasileiros atrapalharão a grande festa do esporte?

Apesar do discurso tranquilizador do Comitê Olímpico Internacional (COI) e das autoridades, a preocupação é palpável.

Em 2 de outubro de 2009 em Copenhague, quando o Rio foi escolhido sede olímpica, os delegados do COI não podiam imaginar que sete anos depois a jovem democracia brasileira atravessaria sua pior crise política desde o fim da ditadura civil-militar em 1985 e a mais profunda recessão econômica desde a década de 1930.

O Brasil emergente, beneficiado pelo boom das matérias-primas, apresentava um expressivo crescimento econômico enquanto as grandes potências industriais eram atingidas em plena crise financeira dos subprimes.

Arrependimento?

Dois anos após a Copa do Mundo de 2014, as Olimpíadas do Rio deveriam ser a apoteose do Brasil como protagonista mundial.

"Não vão se arrepender!", disse aos delegados do COI o então presidente Lula, encarnação da "história de sucesso" do maior país da América Latina.

Lula agora é suspeito em casos de corrupção. Sua herdeira política, Dilma Rousseff, corre o risco de sofrer um impeachment humilhante por maquiar as contas públicas.

Em meados de maio, os senadores provavelmente votarão a favor de seu impedimento, o que afastará a presidente pelo período máximo de seis meses antes de seu julgamento político. Ninguém sabe se o processo terminará antes ou depois dos Jogos.

Dilma denunciou energicamente o que considera um "golpe de Estado" institucional, enquanto seus opositores criticam que ela propague no exterior uma imagem do Brasil como "república das bananas".

Nesse contexto explosivo, o COI se esforça para manter o otimismo. "Esses Jogos Olímpicos serão uma mensagem de esperança em tempos difíceis", disse na última quinta-feira o presidente do organismo, Thomas Bach, antes de o fogo olímpico ser aceso na Grécia.

"A tocha olímpica traz uma mensagem que pode e vai unir o nosso querido Brasil", afirmou o presidente do Comitê organizador Rio-2016, Carlos Nuzman, em cerimônia que não contou com a presença de Dilma. Ele admitiu, entretanto, que o país já navegou por "algumas das águas mais difíceis que já viu o movimento olímpico".

Com exceção da limpeza da Baía de Guanabara, onde será realizada a regata, o Rio de Janeiro cumpriu as obrigações para a realização do evento.

Longe da organização caótica da Copa do Mundo, os orçamentos e os prazos foram respeitados, e as instalações esportivas estão 98% prontas.

Falta instalar a pista de atletismo no estádio olímpico, mas a maior preocupação é o atraso na construção do velódromo.

Metrô com atraso

A grande dúvida fora dos estádios é se a Linha 4 do metrô, estratégica para a mobilidade durante o evento, ficará pronta.

O novo traçado deve ligar em 13 minutos os bairros de Copacabana e Ipanema à Barra de Tijuca, onde ficam o Parque e a Vila Olímpica e onde serão disputadas o maior número de competições.

Sem metrô, chegar até esse ponto da cidade pode levar até duas horas no trânsito infernal do horário de pico.

A abertura do metrô está prevista para julho, um mês antes dos Jogos, embora a escavação dos túneis só tenha terminado em abril.

"Garanto que o metrô estará em operação para os Jogos", afirmou o secretário de Transporte do estado do Rio, Rodrigo Vieira.

Mais de 80.000 policiais e soldados -o dobro de Londres-2012- garantirão a segurança do 10.500 atletas e 450.000 visitantes do mundo todo.

O Brasil nunca foi alvo de um ataque terrorista, mas, com os últimos atentados em Europa, o nível de alerta foi elevado.

A agência de inteligência nacional, a Abin, levou a sério a ameaça publicada no Twitter do ativista francês Daech Maxime Hauchard, em 16 de novembro de 2015, três dias após os ataques em Paris: "O Brasil, será nosso próximo alvo".

AFP