Navigation

Brasil quer uso comercial para base de Alcântara em 2019

Sala do centro de controle de Alcântara, no Maranhão, em 14 de setembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 18. setembro 2018 - 22:00
(AFP)

A Força Aérea do Brasil pretende que o Centro de Lançamento de Satélites de Alcântara, no Maranhão, tenha uso comercial a partir do próximo ano e para isto negocia um acordo de "salvaguarda tecnológica" com os Estados Unidos.

"O Brasil pretende estabelecer um acordo de salvaguardas tecnológicas com os Estados Unidos que possa viabilizar a utilização comercial do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) no próximo ano", afirmou o brigadeiro Luiz Fernando de Aguiar, presidente da Comissão de Implantação de Sistemas Espaciais, durante uma visita de jornalistas à base espacial.

Alcântara tem uma localização ideal para os lançamentos, por ficar próxima da linha do Equador, o que permite economizar até 30% do combustível ou transportar mais carga.

Mas para o lançamento de dispositivos a partir da base é necessário um acordo de proteção tecnológica com os Estados Unidos, porque a maioria dos foguetes tem tecnologia americana, segundo as autoridades brasileiras.

A gestão comercial da base estaria a cargo de uma nova empresa pública brasileira a ser criada, a Alada, explicou Aguiar.

As negociações para um acordo espacial entre Brasil e Estados Unidos foram retomadas em 2017, depois de muitos anos de paralisação.

No fim do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), Brasil e Estados Unidos chegaram a um acordo para o uso da base, mas que foi bloqueado no Congresso, que considerou o texto desequilibrado e em conflito com as leis brasileiras.

Em 2003, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) fechou um acordo com a Ucrânia para o lançamento de satélites a partir desta base.

Em julho de 2015, durante o mandato de Dilma Rousseff (2010-2016), o Brasil encerrou a associação, argumentando que ocorreu uma mudança nas condições tecnológicas e econômicas.

O programa sofreu vários problemas, o principal deles em 2003, quando um foguete VSL explodiu na plataforma de lançamento, uma tragédia que matou 21 técnicos e destruiu parte das instalações.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.