Navigation

Brasil supera pela primeira vez as 2.000 mortes por covid em 24 horas

Paciente com Covid-19 em UTI de hospital municipal no Rio de Janeiro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. março 2021 - 21:34
(AFP)

O Brasil superou nesta quarta-feira (10) pela primeira vez as 2.000 mortes diárias pelo coronavírus, com 2.286 óbitos nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde, em um balanço que confirma a gravidade de uma situação que alarma o mundo.

O país totaliza 270.656 mortes, de acordo com dados publicados pelo Ministério da Saúde. Este balanço é superado apenas pelos Estados Unidos.

Com 212 milhões de habitantes, o Brasil também reportou 79.876 novos casos em 24 horas, o terceiro pior registro desde o início da pandemia, em fevereiro de 2020. O total de contágios chega a 11,2 milhões.

Nos últimos sete dias, houve uma média de 1.627 vítimas mortais da covid-19, um número que tem aumentado constantemente desde 22 de fevereiro (quando era de 1.053) e que nunca atingiu esses níveis durante a primeira onda da pandemia, em 2020.

Especialistas estimam que esse aumento de casos e mortes pode ser devido à confusão criada pelas orientações divergentes para enfrentar a pandemia entre os governadores partidários das medidas de confinamento e o presidente Jair Bolsonaro, que minimiza sua importância.

Também mencionam uma nova variante registrada na Amazônia, conhecida como P1, que pode ser pelo menos duas vezes mais contagiosa, e uma vacinação que avança lentamente no país.

"Estamos no pior momento da pandemia no Brasil, o índice de transmissão com as variantes torna a epidemia ainda mais grave", afirmou à AFP a pneumologista Margareth Dalholm, da Fiocruz.

“O ano de 2021 será ainda mais difícil”, acrescentou.

A explosão de casos e óbitos colocou o sistema de saúde em xeque, com mais de 80% de ocupação dos leitos nas unidades de terapia intensiva de 25 das 26 capitais dos estados brasileiros mais o Distrito Federal.

Desde que a campanha de vacinação foi iniciada ha cerca de dois meses, 8,9 milhões de pessoas foram imunizadas (4,23% da população). Somente 3,1 milhões receberam também uma segunda dose.

Nesse cenário, “podemos chegar ao nível de 3.000 mortes por dia”, disse à AFP o epidemiologista Jonas Brant, da Universidade de Brasília (UNB).

Em termos relativos, o Brasil registra uma média de 128 óbitos por 100.000 habitantes, valor inferior ao Reino Unido (184/100.000), Bélgica (193/100.000) ou Estados Unidos (160/100.000).

Mas vários estados apresentam números que dão magnitude à tragédia: no Rio de Janeiro, com 33.389 mortes, a média é de 196 mortes/100 mil habitantes. E no Amazonas, onde neste ano dezenas de pessoas morreram por falta de oxigênio nos hospitais, a média é de 275 óbitos/100 mil habitantes.

- Preocupação internacional -

A situação do país gerou alertas internacionais.

A OMS instou o Brasil na semana passada a tomar medidas mais agressivas, caso contrário, isso poderia afetar os países vizinhos e outros países.

Nesta quarta-feira, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) reforçou os alertas.

"Estamos preocupados com a situação no Brasil. Este é um forte lembrete da ameaça de um novo ressurgimento, uma vez que as áreas gravemente atingidas pelo vírus continuam a ser muito vulneráveis a infecções", analisou a diretora da Opas, Carissa Etienne, em entrevista coletiva virtual.

Diante da onda de críticas por sua forma de lidar com a emergência sanitária, Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que seu governo "foi incansável desde o primeiro momento na luta contra a pandemia".

O presidente citou a ajuda emergencial que permitiu a cerca de 68 milhões de brasileiros enfrentar a desaceleração econômica entre abril e dezembro, mas que foi suspensa em janeiro.

Mais cedo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva o acusou de tomar decisões "imbecis" contra a pandemia, principalmente por recomendar o uso de drogas sem comprovação científica de eficácia contra a covid-19.

“Não sigam nenhuma decisão imbecil do presidente da República ou do Ministério da Saúde. Tomem vacina”, disse Lula, anunciando que ele próprio esperava ser vacinado na próxima semana.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?