Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Sede do Banco Central do Brasil, em Brasília, no dia 29 de maio de 2012

(afp_tickers)

O Brasil registrou, em julho, déficit de 3,404 bilhões de dólares em suas contas externas, interrompendo a sequência de quatro resultados positivos, informou o Banco Central (BC) nesta quarta-feira.

O número foi pior que o superávit de junho, de 1,330 milhão de dólares, mas acima do vermelho de 3,951 milhões registrados em julho do ano passado.

O déficit da conta corrente acumulado em doze meses é de 13,8 bilhões de dólares, o que equivale a 0,71% do PIB brasileiro.

Entre janeiro e junho, contudo, o déficit é de 2,696 bilhões de dólares, bem abaixo do saldo negativo de 12,438 bilhões do mesmo período do ano passado.

O BC manteve sua projeção para 2017 de déficit de 24 bilhões, 1,18% do PIB, nas contas externas.

Esse resultado é um dos principais indicadores da solvência de um país, e inclui a balança comercial, os serviços (entre eles, o turismo) e a transferência de dividendos empresariais e de remissas do exterior.

O saldo foi impulsionado pelo intercâmbio comercial, que em julho atingiu um superávit de 6,056 bilhões de dólares, seu melhor resultado para esse mês desde que começou a série histórica em 1998.

O Brasil recebeu 4,093 bilhões de dólares em Investimento Direto no País (IDP) em julho, levando o acumulado em 12 meses a 84,5 bilhões, equivalentes a 4,37% do PIB.

De janeiro a julho, os IED somaram 40,364 bilhões de dólares, 18,6% acima do registrado no mesmo período de 2016.

As reservas internacionais do Brasil totalizam, por sua vez, 381 bilhões de dólares.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP