Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um brasileiro morto e um paraguaio detido, ambos supostamente ligados à quadrilha narcotraficante Comando Vermelho (CV), é o resultado de um tiroteio com a polícia registrado ao leste da Bolívia, informou nesta quinta-feira o governo boliviano

(afp_tickers)

Um brasileiro morto e um paraguaio detido, ambos supostamente ligados à quadrilha narcotraficante Comando Vermelho (CV), é o resultado de um tiroteio com a polícia registrado ao leste da Bolívia, informou nesta quinta-feira o governo boliviano.

O ministro do Governo (Interior), Carlos Romero, relatou em coletiva de imprensa em Santa Cruz, 900 km ao leste de La Paz, que na terça-feira foi realizada uma operação policial nesta região, vizinha do Brasil e do Paraguai. A intervenção surpreendeu ambos os personagens, que estavam em um pequeno avião carregado com 300 quilos de drogas, a ponto de partir, informaram as autoridades.

Os estrangeiros resistiram e usaram armas de fogo. "Como resultado deste enfrentamento, o piloto de nome Wagner Santulhão ficou ferido e depois morreu enquanto era transferido para um hospital", afirmou a autoridade.

Ele afirmou que o outro preso é Wilmer Eustaquio Ruiz, de nacionalidade paraguaia. "Estamos falando de duas pessoas perigosas vinculadas à estrutura hierárquica do Comando Vermelho", organização criminosa brasileira, explicou Romero.

No caso do brasileiro, foi estabelecido que tinha antecedentes de narcotráfico no Brasil, no Paraguai e na Bolívia.

Além disso, em território paraguaio foi descoberto que mantinha dupla nacionalidade, sob o nome de "Carlinhos Flores".

Em meio ao tiroteio, o pequeno avião, com matrícula brasileira, pegou fogo e a carga de cocaína queimou, destacou a autoridade.

Santa Cruz se converteu em um ponto de fabricação e trânsito da droga até o Brasil e Paraguai. A Bolívia é, atrás da Colômbia e do Peru, um dos principais produtores de folhas de coca e de cocaína.

AFP