Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vista aérea do rio Amazonas

(afp_tickers)

Uma britânica que descia o Amazonas em um caiaque foi assassinada perto do município de Coari, informaram as autoridades nesta terça-feira. Três suspeitos pelo crime, entre eles um adolescente, foram detidos.

Emma Kelty, de 43 anos, era diretora de escola na Inglaterra e fazia turismo de aventura, que incluiu parte do Polo Sul e agora descer o curso superior do rio Solimões até chegar em sua foz.

Usuária ativa das redes sociais, Kelty havia enviado seu último tuíte no dia 13 de setembro, perto de Coari, em que disse ter encontrado a "três lugares adoráveis", em contraste com seu tuíte anterior, no qual descreve ter visto de 30 a 50 homens "armados de rifles e flechas" em barcos.

A polícia foi mobilizada depois que uma empresa sinalizou que o localizador de emergência de Kelty havia sido ativado. Pouco depois, a roupa e o sapatos da turista foram encontrados na ilha Boeiro, onde ela havia acampado, a cerca de 360 km de Manaus.

Segundo as autoridades, um jovem de 17 anos confessou fazer parte de um grupo de sete pessoas que matou a britânica, roubando seus equipamentos eletrônicos e seu dinheiro.

"O adolescente informou que a britânica foi atingida por dois tiros de espingarda calibre 20, com o cano serrado, e depois os infratores jogaram o corpo da mulher no Rio Solimões", informou um comunicado policial.

O adolescente foi detido em Codajás, a aproximadamente 100 km de Coari, onde os suspeitos teriam tentado vender dois celulares, um tablet e uma câmera GoPro que pertenciam a Kelty.

Segundo a polícia, todos os suspeitos "já foram identificados". Os outros quatro suspeitos estão sendo procurados.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP