Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O balanço de vítimas fatais dos atentados de Barcelona e Cambrils subiu de 14 para 15, com a inclusão da morte de um homem encontrado esfaqueado em seu veículo perto da capital catalã

(afp_tickers)

A busca por Younes Abouyaaqoub, apontado como motorista da van que matou 13 pessoas na quinta-feira nas Ramblas de Barcelona, foi ampliada nesta segunda-feira a toda a Europa, após um alerta transmitido pelo governo regional da Catalunha.

Segundo um tuíte da polícia regional, o suspeito é perigoso e está armado.

O motorista da van foi identificado pela polícia catalã, os Mossos d'Esquadra, e o ministro regional do Interior, Joaquim Forn, afirmou a uma rádio que "tudo aponta" para Abouyaaqoub, um jovem marroquino de 22 anos.

Forn descartou a possibilidade de Abouyaaqoub estar entre os suspeitos mortos na quarta-feira em uma casa de Alcanar, cidade a 200 km de Barcelona, onde a célula jihadista preparava explosivos, que detonados por acidente deixaram o grupo sem bombas para cometer os atentados que, segundo a polícia, haviam planejado.

"Se é a pessoa que provocou a atropelamento não pode estar morto", disse o ministro regional, antes de advertir que será difícil identificar os vestígios de Alcanar, onde pelo menos duas pessoas morreram e outra ficou ferida.

Forn anunciou que a busca de Abouyaaqoub será ampliada a todo o continente.

"Temos que falar com as polícias europeias para divulgar a identidade, porque esta pessoa não seria procurada apenas na Catalunha, seria procurada em todos os países europeus", afirmou Joaquim Forn em uma entrevista à Catalunya Radio.

O motorista da van entrou na movimentada avenida de Las Ramblas em alta velocidade e atropelou várias pessoas por 500 metros. Depois do ataque ele conseguiu fugir e permanece foragido.

De acordo com as imagens divulgadas nesta segunda-feira pelo jornal El País, Abouyaaqoub escapou ao atravessar o popular mercado de La Boquería, usando óculos escuros. Depois atravessou grande parte de Barcelona a pé, até a saída sul da cidade.

As autoridades investigam se foi ele que, neste ponto, sequestrou um Ford Focus que foi encontrado abandonado depois de escapar de um controle policial e com seu proprietário, Pau Pérez, morto a facadas no interior do veículo.

Com a morte de Pérez, subiu para 15 as vítimas dos atentados de quinta-feira na Espanha, todas elas identificadas, segundo as autoridades.

Abouyaaqoub morava em Ripoll, 100 km ao norte de Barcelona, uma localidade próxima as Pirineus de onde procediam a maioria dos suspeitos e onde foram realizadas mais operações nesta segunda-feira.

Depois do ataque quinta-feira, a célula jihadista executou um ataque em Cambrils, 120 km ao sul de Barcelona, onde matou mais uma pessoa.

Dos demais 11 integrantes da célula terrorista, cinco foram mortos no atentado de Cambrils, quatro estão detidos e as autoridades suspeitam que dois morreram na explosão de Alcanar.

Uma das figuras-chave da investigação é o imã de Ripoll, o marroquino Abdelbaki Es Satty, que teria doutrinado a célula e que segundo a polícia pode ter falecido em Alcanar.

O imã morou em Machelen, na periferia de Bruxelas, "entre janeiro e março de 2016", segundo o prefeito da localidade vizinha de Vilvorde, Hans Bonte.

Também teria mantido contato na prisão, de onde saiu em janeiro de 2012, com um homem acusado de terrorismo, informou a polícia catalã.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP