Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Butão celebrou eleições apenas em duas ocasiões, após a monarquia ceder o poder absoluto em 2008

(afp_tickers)

Os eleitores no Butão, "terra do Dragão do Trono", iam neste sábado (15) às urnas no primeiro turno das eleições legislativas, as terceiras desde o advento da democracia neste pequeno reino situado na cordilheira do Himalaia, entre Índia e China.

Os dois partidos mais votados se enfrentarão em um segundo turno em 18 de outubro, com Thsering Tobgay, de 52 anos e formado em Harvard, com a esperança de um segundo mandato consecutivo como primeiro-ministro.

Mas o Partido Democrático Popular (PDP) enfrenta neste duro desafio o Partido Paz e Prosperidade de Butão (DPT), vencedor das primeiras eleições no Butão, em 2008, e outras duas formações.

A democracia só chegou a este país de 800.000 habitantes em 2008, quando a monarquia cedeu o poder absoluto.

O país tentou se proteger das desvantagens da modernização, com a introdução do Índice Nacional de Felicidade Bruta, alcançando uma pegada de carbono negativa e limitando a visita dos turistas.

As pesquisas de opinião são proibidas e os analistas são poucos, mas um observador disse à AFP que o PDP tinha uma vantagem sobre a gestão da economia, com forte crescimento e baixo desemprego.

No entanto, a corrupção, a pobreza rural, o desemprego juvenil e a predominância de gangues criminosas continuam sendo um desafio.

"Acho que as questões centrais em 2018 são as mesmas de 2013 e 2008 - economia, desenvolvimento rural, infraestruturas e, até certo ponto, turismo", disse à AFP Tenzing Lamsang, editor do jornal The Bhutanese.

O Butão depende de sua vizinha Índia para ajudas, investimentos em infraestrutura, importações e como mercado de exportação, especialmente para a eletricidade que gera com energia hidrelétrica.

Durante a última campanha eleitoral, em 2013, a Índia retirou a ajuda para as importações de querosene e gás de cozinha, o que foi visto como uma tentativa de garantir uma mudança de governo.

A Índia está descontente com a crescente influência da China no Butão. No ano passado, tropas chinesas e indianas entraram em confronto no planalto de Doklam, uma área elevada no Himalaia, reivindicada tanto pela China quanto pelo Butão.

As tropas chinesas começaram a construir uma estrada no planalto e a Índia, embora não reivindique o território, enviou tropas para bloquear o projeto.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP