Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Nesta imagem divulgada pela Nasa, o braço robótico Canadarm2 agarra o Cygnus em 14 de novembro de 2017

(afp_tickers)

A cápsula não tripulada Cygnus, da companhia americana Orbital ATK, chegou na manhã desta terça-feira (14) à Estação Espacial Internacional (ISS) após o lançamento no domingo na Virgínia, confirmou a Nasa.

O astronauta italiano Paolo Nespoli, da Agência Espacial Europeia (ESA), e seu colega da Nasa, Randy Bresnik, agarraram a Cygnus com a ajuda do braço mecânico da ISS às 08H04 de Brasília e em seguida a prenderam ao módulo americano Unity, posicionado em frente à Terra.

Esta é a oitava missão de abastecimento da Orbital para a estação, no âmbito de um contrato de 1,9 bilhão de dólares com a Nasa.

A Cygnus transportou 3,3 toneladas de alimentos, provisões, equipamentos e materiais para experiências científicas, inclusive um para provar como se desenvolvem bactérias em microgravidade. O objetivo é determinar a quantidade mínima de antibióticos necessários para neutralizá-las.

"A resistência microbiana aos antibióticos poderia representar um risco para os astronautas no espaço onde seu sistema imunológico se debilita", explicou a Nasa.

"Os investigadores acreditam que os resultados destas experiências deveriam ajudar a desenhar antibióticos eficazes para proteger aos astronautas durante as missões de longa duração no espaço", acrescentou a agência espacial americana.

Uma vez que esvazie sua carga, a cápsula será carregada com dejetos. Em dezembro, ela vai se desatracará e cairá na atmosfera, desintegrando-se o oceano Pacífico.

Previamente, a cápsula mobilizará 14 mini satélites tipo "Cubesat".

A tripulação atual da ISS é composta de seis astronautas: três americanos, um italiano e dois russos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP