Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um cachorro brinca com sua treinadora, em Homestead, Flórida, no dia 25 de abril de 2015

(afp_tickers)

O melhor amigo do homem pode desempenhar este papel há muito mais tempo do que se acreditava - é o que afirma um grupo de cientistas, cuja análise mostra que a domesticação dos cães teria ocorrido há mais de 27.000 anos.

Os seres humanos possivelmente domesticaram os cães entre 27.000 a 40.000 anos atrás, de acordo com pesquisadores suecos, cujo trabalho foi publicado nesta quinta-feira na revista Current Biology.

Os cientistas basearam a análise em um antigo fragmento de mandíbula siberiana. Estimativas anteriores apontavam que os cães modernos divergiram de seus antepassados lobos cerca de ​​16.000 anos após a última idade do gelo.

O osso do lobo "Taimyr" analisado no estudo, datado de 35.000 anos atrás, mostra que o animal foi o mais recente ancestral de lobos e cães modernos.

"Os cães podem ter sido domesticados muito antes do que geralmente se acredita", afirmou Love Dalen, do Museu Sueco de História Natural.

Dalen explica que a única outra explicação para o osso incomum é a possibilidade - menos provável - de que uma grande divergência entre populações de lobos tenha ocorrido nessa época, dando à luz a população de lobos modernos.

o lobo Taimyr viveu alguns milhares de anos após o desaparecimento dos neandertais e os humanos modernos se espalharem por toda Ásia e Europa, disse o estudo.

A análise de DNA mostrou também que os Huskies Siberianos modernos e os cães de trenó da Groenlândia têm um número "extraordinariamente grande" de genes em comum com o lobo Taimyr.

AFP