Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma fisioterapeuta atende um bebê com microcefalia em um hospital, em Salvador, no dia 28 de janeiro de 2016

(afp_tickers)

Onze casos de microcefalia em recém-nascidos, um deles em um bebê que nasceu morto, foram registrados em Cabo Verde desde a chegada do zika vírus neste arquipélago da África ocidental, informou o Ministério da Saúde.

O balanço anterior, divulgado no final de maio, registrava três casos, dois deles na capital, Praia, e um na Ilha do Maio.

Desde então, as mulheres que ficaram grávidas no segundo semestre do ano passado "começaram a dar à luz", disse Maria de Lourdes Monteiro, epidemióloga do ministério.

"Agora, contabilizamos onze casos de bebês com microcefalia", completou Monteiro, citada pela imprensa nesta sexta-feira.

Nove casos foram notificados em Praia, e dois em Maio.

O zika se propaga principalmente através da picada de mosquitos infectados pelo vírus, mas também pode ser transmitido sexualmente e da mãe para o feto durante a gestação.

Infecções pelo zika já foram constatadas em 60 países e territórios.

A epidemia que atualmente atinge os países da América do Sul revelou estar associada a transtornos neurológicos e, principalmente, à microcefalia - malformação que se caracteriza por um tamanho abaixo da média da cabeça de bebês de mães infectadas com o zika, e que prejudica o desenvolvimento cerebral.

No Brasil, o país mais afetado, foram registrados 1.616 casos de microcefalia desde o início da epidemia de zika, em outubro passado, segundo dados do Ministério da Saúde.

AFP