Navigation

Cabras preferem pessoas sorridentes

As cabras são capazes de perceber diferentes expressões humanas e preferem pessoas sorridentes afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. agosto 2018 - 12:08
(AFP)

As cabras são capazes de perceber diferentes expressões humanas e preferem pessoas sorridentes, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira.

"Sabíamos que as cabras prestavam atenção na linguagem corporal humana, mas não sabíamos como reagiam a certas expressões como raiva e felicidade", explicou à AFP Christian Nawroth, um dos autores do estudo, publicado na Royal Society Open Science.

"Mostramos pela primeira vez que as cabras não apenas são capazes de distinguir estas expressões, mas que também preferem interagir com rostos felizes", acrescentou o biólogo, funcionário da Universidade Queen Mary de Londres, que realizou a pesquisa no verão de 2016.

A cabra não é o único mamífero que reconhece emoções humanas.

Os cães, domesticados desde a pré-história, sabem reconhecer muito bem as expressões dos rostos humanos. Recentemente, estudos mostraram que os cavalos também são capazes de perceber tais expressões faciais e recordá-las.

Estas duas espécies "foram domesticadas para cooperar com os homens em vários contextos como a caça, a proteção e o deslocamento", e a percepção das expressões faciais humanas é, provavelmente, fruto de uma adaptação das duas espécies a "estes contextos cooperativos".

Por outro lado, "as cabras foram domesticadas unicamente para fornecer diferentes produtos destinados ao homem", e os esforços de seleção se concentraram em tamanho, reprodução, produção de leite e etc.

A equipe de pesquisa observou o comportamento de 20 cabras diante de rostos humanos em um abrigo em Buttercups, em Kent (Reino Unido), onde os animais podiam se deslocar livremente.

A cada vez eram apresentadas a duas imagens em preto e branco da mesma pessoa, uma sorrindo e outra contrariada, e as cabras preferiam interagir com a sorridente.

A reação das cabras não foi influenciada pelo sexo da pessoa.

Em média, as cabras passaram 50% mais tempo olhando e interagindo com a imagem do rosto feliz (1,4 segundo) do que com o rosto contrariado (0,9 segundos), precisou Christian Nawroth.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.