Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O CaixaBank, o terceiro maior banco da Espanha

(afp_tickers)

O CaixaBank, o terceiro banco mais importante da Espanha, admitiu nesta terça-feira (24) que retirou sua sede social da Catalunha devido aos saques de dinheiro feito por clientes nervosos com a situação política na região.

A entidade, o primeiro banco da região da Catalunha, admitiu a medida após anunciar um bom desempenho no terceiro trimestre de 2017, no qual duplicou seu lucro líquido, a 649 milhões de euros.

Cinco dias depois do referendo de autodeterminação inconstitucional de 1 de outubro, o CaixaBank tomou a decisão em resposta "a uma situação técnica de intranquilidade de nossa clientela", indicou numa coletiva de imprensa seu CEO, Gonzalo Gortázar.

"A partir de 1 de outubro, pudemos detectar em nossa clientela intranquilidade, nervosismo", explicou Gortázar, que disse que o impacto dos saques foi "moderado", sem especificar seu montante.

O CaixaBank foi uma das primeiras grandes empresas que anunciaram a mudança de sua sede social para fora da Catalunha, prevendo uma possível declaração unilateral de independência das autoridades da região - que representa 19% do PIB espanhol.

Segundo dados do registro nacional de empresas, desde então, até 1.300 companhias deixaram a Catalunha, entre elas, algumas emblemáticas, como o Banco Sabadell, a produtora de cava Codorniú e o grupo editoral Planeta.

O objetivo era "deixar de fora qualquer dúvida de que a força do CaixaBank se manteria em qualquer cenário e de que estaremos sempre sob o guarda-chuvas da zona do euro", explicou Gortázar.

A medida permite ao banco continuar contando com a possibilidade - crucial para esta atividade - de ter acesso ao financiamento do Banco Central Europeu (BCE), disse Gortázar.

Com a migração da sede social, o impacto sobre os depósitos "primeiro parou e, depois, se reverteu", assinalou.

Questionado se a mudança de sede é temporária, ele se limitou a responder: "Se o conselho de administração quisesse dizer que a mudança era temporária, teria dito, mas não falou nada a respeito".

A decisão é "unicamente nossa", esclareceu, questionado sobre eventuais pressões políticas.

- Resultados superam previsões -

O CaixaBank não alterou suas metas de crescimento para 2017, mas se a crise na Catalunha se prolongar "teria um impacto muito prejudicial" sobre a economia espanhola, afirmou Gortázar.

Antes da coletiva de imprensa, o banco tinha anunciado seu desempenho positivo no terceiro trimestre de 2017, dobrando seus lucros líquidos a 649 milhões de euros, graças à integração da entidade portuguesa BPI, comprada em fevereiro.

No terceiro trimestre de 2016, o CaixaBank tinha registrado um lucro líquido de 332 milhões de euros.

O BPI contribuiu com cerca de 103 milhões de euros, indica o banco espanhol em um comunicado.

O produto bancário líquido, o equivalente ao faturamento, chegou a 1,201 bilhão de euros, contra 1,039 bilhão no terceiro trimestre de 2016, antes da integração do BPI.

Nos nove primeiros meses do ano, aumentou em mais de 15%, para 3,55 bilhões de euros. Sem a compra do BPI, o aumento teria sido de apenas 6,5%, segundo o banco.

O resultado é muito superior às previsões dos analistas recolhidas pela agência de informações financeiras Factset, que previa um lucro médio de 486 milhões de euros.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP