Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Março) Manifestação em Nova York contra as deportações

(afp_tickers)

O estado da Califórnia e a cidade de San Francisco denunciaram o governo do presidente americano, Donald Trump, por sua política "inconstitucional" contra as "cidades-santuário".

O secretário de Justiça da Califórnia, Xavier Becerra, denunciou a tentativa "inconstitucional" do governo de obrigar a polícia do Estado a aplicar a política federal sobre imigração, no lugar de permitir que ela escolha a melhor forma de proteger os cidadãos".

A Califórnia e um grande número de cidades dos EUA - entre elas Nova York, Chicago e Filadélfia - afirmam que não perseguirão os imigrantes em situação irregular que não tenham cometido crimes ou infrações.

"No mês passado, o departamento de Justiça estabeleceu condições ilegais e impróprias sobre algumas subvenções do governo às forças da ordem" e "colocou em dúvida" a distribuição de 28 milhões de dólares de verbas federais, "recursos cruciais" que a Califórnia destina à luta contra o crime, destacou Becerra.

San Francisco, uma das maiores cidades da Califórnia, informou ter denunciado o governo Trump pelas mesmas razões, na segunda vez em que adota tal medida.

"Este presidente se empenha em denegrir os imigrantes e em castigar cidades que priorizam a verdadeira segurança pública para separar famílias que trabalham duro", declarou em um comunicado o procurador Dennis Herrera.

"Trump atacou as cidades-santuário em janeiro com uma ordem executiva ilegal (...). Agora tenta que um de seus departamentos mude as regras. Por isto estamos outra vez diante dos tribunais".

A cidade de Chicago processou, na semana passada, a administração republicana por obrigar a deter suspeitos sem permissão de residência, sob a ameaça de não repassar fundos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP