Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bombeiro em frente a uma casa incendiada perto de Oroville, na Califórnia, em 9 de julho de 2017

(afp_tickers)

Incêndios florestais se alastraram no domingo em grande parte da Califórnia, forçando centenas de pessoas a deixar suas casas, no estado mais povoado dos Estados Unidos, que sofre uma onda de calor recorde.

Quase 5.000 bombeiros combatiam 14 grandes incêndios florestais em todo o estado, segundo o Cal Fire. Entre os maiores está o incêndio de Alamo, no condado de San Luis Obispo, no meio do de caminho entre São Francisco e Los Angeles.

Este incêndio queimou 100 quilômetros quadrados e só foi contido em 15%, de acordo com as autoridades.

No condado vizinho de Santa Barbara, quase mil bombeiros lutavam contra as chamas com o apoio de helicópteros da unidade de combate ao incêndios.

"Muita coisa pode queimar", afirmou a porta-voz do condado de Santa Barbara, Gina DelPinto.

Ela apontou que os incêndios avançam pela baixa umidade, elevado calor e ventos.

No condado de Butte, ao norte do estado, 17,8 quilômetros quadrados foram consumidos pelas chamas. Nesta área, o fogo foi controlado em 17% e vários moradores deixaram suas casa. Quatro pessoas ficaram feridas e 10 estruturas foram destruídas.

O incêndio de Whittier, no condado de Santa Barbara, sul da Califórnia, afetava 31,56 quilômetros quadrados e era controlado em apenas 5%.

A maior parte do sul da Califórnia, incluindo a área metropolitana de Los Angeles, tem sido foco de uma onda forte de calor, com temperaturas que superam os 37 graus.

O governador da Califórnia, Jerry Brown, declarou em abril o fim oficial da seca no estado, que durou mais de cinco anos. Mas ele decidiu manter algumas medidas para a economia de água.

AFP