Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fronteira que separa San Diego, Califórnia, lado esquerdo, de Tijuana, México

(afp_tickers)

A Califórnia abriu um processo contra o presidente Donald Trump por seu projeto de construir um muro na fronteira com o México, informou nesta quarta-feira o secretário estadual de Justiça, Xavier Becerra.

Na ação, apresentada a um tribunal do sul da Califórnia, Becerra acusou Trump de violar a Constituição, de não cumprir as leis ambientais e de utilizar um estatuto que não autoriza este tipo de projeto.

O muro na fronteira com o México - que seria pago pelos próprios mexicanos - foi uma das grandes promessas de campanha de Trump, que chegou ao poder em novembro passado.

"O governo Trump ignorou novamente as leis que não lhe agradam para poder ressuscitar o discurso de campanha", disse Becerra em entrevista coletiva na cidade de San Diego, ao lado de uma das cercas erguidas na região para marcar a fronteira.

O Departamento de Segurança Nacional, responsável pelo projeto, informou no dia 2 de agosto que construiria em San Diego vários protótipos de muro e substituiria 22 km da cerca principal e uma secundária por uma muralha sólida.

O governo anunciou posteriormente a seleção de quatro empresas para construir estes protótipos de muro.

"O presidente Trump não consegue passar de candidato Trump à chefe de uma nação baseada no estado de direito e isto é perigoso".

"Se você planeja fazer algo na Califórnia, e isto inclui o presidente, é preciso estar preparado para cumprir a lei", declarou Becerra, filho de mexicanos.

Há dez dias, o mesmo Becerra iniciou uma ação contra a decisão de Trump de eliminar o programa que protege jovens imigrantes que chegaram ao país ilegalmente ainda crianças, o chamado Daca.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP