Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Infográfico com resultados oficiais das eleições legislativas na Alemanha

(afp_tickers)

A Alternativa para a Alemanha (AfD) obteve um crescimento espetacular nas eleições legislativas deste domingo (25), após uma campanha virulenta, que consolidou na opinião pública sua imagem de partido de extrema direita.

A classificação como extrema direita tem uma conotação especialmente vergonhosa em um país atormentado por seu passado nazista e que se reconstruiu, após a Segunda Guerra Mundial, com a promessa de que "nunca mais" teria um regime como o do Terceiro Reich.

Criada em 2013, a AfD não é considerada como um partido de extrema direita pelos serviços de Inteligência domésticos, que vigiam os movimentos de ultradireita e publicam, todos os anos, um informe sobre eles.

Em sua definição oficial, o "ultradireitismo" na Alemanha se aplica, sobretudo, aos neonazistas e aos pequenos grupos ao seu redor.

No último informe dos serviços de Inteligência, aparece nessa categoria o Partido Nacional-Democrata da Alemanha (NPD), que tem alguns cargos locais, assim como nanicos como a Terceira Via e A Direita.

A AfD não define claramente seu lugar no espectro político e, embora mostre sua afinidade com o partido de extrema direita austríaco FPÖ, foi durante muito tempo difícil de enquadrar.

O movimento começou com um programa contrário ao euro e crítico aos planos de ajuda a países da zona euro, entre os quais a Grécia. Seu eleitorado começou a atrair os eleitores mais conservadores do partido de Angela Merkel (CDU), decepcionados com o rumo de centro de sua política.

- Radicalização -

Os primeiros dirigentes do partido foram substituídos em 2015 por outras lideranças, entre elas Frauke Petry, que converteram a AfD em um partido anti-imigração e anti-Islã, sobretudo, depois que Merkel abriu as fronteiras para mais de um milhão de demandantes de asilo em 2015 e 2016.

A imprensa alemã e a maioria dos analistas começou, então, a descrever o partido como um movimento de direita populista.

Ao longo da campanha destas eleições legislativas, a AfD foi-se radicalizando pouco a pouco, sob o impulso de uma corrente extremista. Ao contrário do ocorrido na França, com a Frente Nacional (FN), não tentou ampliar seu eleitorado com uma estratégia de "desdiabolização".

A sigla sequer respeitou o consenso dos políticos alemães sobre a necessidade de se arrepender dos crimes do Terceiro Reich. Um dirigente do partido, Björn Höcke, criticou a construção de um memorial às vítimas do Holocausto no centro de Berlim - um "memorial da vergonha", segundo ele.

O líder da AfD, Alexander Gauland, ex-membro da CDU, foi ainda mais longe ao estimular os alemães a se sentirem orgulhosos da atuação de seus soldados durante a Segunda Guerra Mundial.

E os seguidores do movimento agora tacham Merkel de "traidora da pátria".

A radicalização da AfD foi tão drástica que Frauke Petry, partidária de uma retórica dura, renunciou nesta segunda-feira para ocupar sua cadeira no futuro grupo parlamentar do partido, após denunciar as últimas declarações extremistas de Gauland.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP