Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Imagem divulgada pela Parks Canada mostra restos do Erebus, um dos navios perdidos em 1846, no dia 24 de setembro de 2014

(afp_tickers)

O governo canadense confirmou nesta segunda-feira a descoberta do "Terror", o segundo navio de uma mítica expedição britânica dirigida por John Frankling que desapareceu em 1846 enquanto explorava o Ártico.

Uma equipe de arqueólogos validou a descoberta de um barco, ocorrida no início deste mês, por cientistas do Arctic Research Foundation, indicou em um comunicado a agência federal Parcs Canada.

Os dois barcos do explorador John Franklin, o "Terror" e o "Erebus", naufragaram no oceano Ártico após ficarem presos no gelo durante um ano e meio.

Os 129 membros da tripulação abandoram as embarcações, mas nenhum deles sobreviveu.

A expedição tinha saído da Inglaterra em 19 de maio de 1845 para tentar descobrir a Passagem do Noroeste, que permite chegar à Ásia através do oceano Ártico.

A Arctic Research Foundation anunciou há cerca de duas semanas que acreditava ter descoberto o "Terror", descansando a cerca de 24 metros de profundidade.

Os restos do "Erebus" foram encontrados em 2014, 100 km ao sul dos do "Terror".

Os arqueólogos de Parcs Canada validaram a descoberta do "Terror" com a ajuda de um sonar e depois de terem realizado três imersões no local "em condições meteorológicas difíceis, quando a visibilidade era limitada".

"Apesar de tudo, os mergulhadores puderam observar diferentes características típicas dos navios britânicos de exploração polar do século XIX", indicou Parcs Canada.

Os restos da embarcação pertencem ao governo britânico, mas há negociações em curso para transferir a propriedade ao governo canadense e aos inuítes do território de Nunavut.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP