Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas aguardam para votar em San Cristóbal, Táchira, em 15 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O Canadá questionou nesta terça-feira (17) a validade dos resultados das eleições de governadores, realizada no domingo na Venezuela, alegando que o processo se caracterizou por "irregularidades", em particular o controle da autoridade eleitoral.

"As eleições de domingo se caracterizaram por muitas irregularidades que trazem preocupações significativas e legítimas sobre a validade dos resultados", expressou em uma nota oficial a ministra das Relações Exteriores, Chrystia Freeland.

Entre essas irregularidades, que afetam a realização de eleições livres e justas, a nota mencionou "o controle inconstitucional do Conselho Nacional Eleitoral (CNE)".

Simultaneamente, a chefe da diplomacia canadense publicou no Twitter uma mensagem em espanhol, dizendo que "os venezuelanos têm o direito constitucional de eleger seus líderes mediante eleições livres, justas e transparentes. #Vzla".

Canadá e Estados Unidos são os dois únicos países que aplicaram até agora sanções contra funcionários venezuelanos.

Em 22 de setembro passado, o governo canadense anunciou a adoção de sanções financeiras contra o presidente Nicolás Maduro e 39 funcionários pela "deterioração da democracia" na Venezuela.

Entre os funcionários sancionados pelo Canadá está precisamente Tibisay Lucena, presidente do CNE.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP