Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros da Orquestra Nacional tocam instrumentos durante manifestação em repúdio às mortes de jovens pelas forças de segurança, em Caracas, em 7 de maio de 2017

(afp_tickers)

O regente venezuelano Gustavo Dudamel anunciou nesta segunda-feira que sua turnê com a aclamada orquestra juvenil de seu país nos Estados Unidos foi cancelada, dias depois de o presidente Nicolás Maduro o acusar de fazer política sem ética.

"Destrói o meu coração o cancelamento da turnê por quatro cidades americanas da Orquestra Nacional Juvenil da Venezuela", informou o também diretor da Filarmônica de Los Angeles em uma mensagem nas redes sociais.

"Meu sonho de tocar junto destes maravilhosos jovens músicos não poderá ser realizado desta vez", acrescentou Dudamel. "Continuaremos tocando e lutando por uma Venezuela e um mundo melhor".

Depois de ser acusado por opositores venezuelanos de manter um silêncio "cúmplice" com o governo, Dudamel rechaçou nos últimos meses "a violência e a repressão" durante os protestos contra Maduro, que em pouco mais de quatro meses deixaram 125 mortos.

Também pediu a suspensão da eleição da Assembleia Constituinte, que hoje rege a Venezuela com poderes absolutos.

"Envio a nossa saudação a Gustavo Dudamel, embora não nos compreenda. Se meteu na política, bem-vindo à política, Gustavo Dudamel, mas aja com ética", declarou Maduro na sexta-feira durante uma reunião de trabalho de seu Executivo.

A turnê nos Estados Unidos da Orquestra Sinfônica Nacional Juvenil da Venezuela - programa modelo e aplaudido no mundo - estava prevista para setembro, e, segundo o jornal venezuelano El Nacional, a ordem de cancelamento veio do gabinete do presidente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP