Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ex-chanceler do Panamá Rómulo Roux será candidato presidencial pelo partido opositor Cambio Democrático

(afp_tickers)

O ex-chanceler Rómulo Roux será o candidato presidencial pelo partido opositor Cambio Democrático (CD, direita) para as eleições gerais do Panamá em maio de 2019, após vencer em primárias condicionadas pela detenção do ex-presidente e fundador dessa formação, Ricardo Martinelli.

Roux, advogado de 53 anos, obteve cerca de 67% dos votos, contra 31% de seu principal adversário, o ex-ministro de Segurança de Martinelli, José Raúl Mulino.

O vencedor foi chanceler e ministro para Assuntos do Canal do Panamá durante o governo de Martinelli (2009-2014), mas após os processos contra o ex-presidente por espionagem e corrupção se distanciou do líder detido.

"Até 5 de maio de 2019 vamos levar uma mensagem de que nós vamos mudar este país outra vez", apontou Roux, considerado o dirigente mais afastado da longa sombra de Martinelli, ao que já venceu este ano nas eleições internas do partido.

Martinelli, fundador do Cambio Democrático em 1998, foi protagonista indireto desta campanha devido à sua situação com a Justiça.

"Ricardo Martinelli evidentemente é um fator importante. Sempre foi, é o fundador do partido. Neste momento ele está lidando com o processo que tem e nós como partido temos o dever de nos fortalecermos e de chegar unidos a 2019 para ganhar as eleições novamente", disse Roux.

Martinelli está preso por supostamente espionar cerca de 150 opositores de seu governo (2009-2014), e por isso a promotoria pede que seja condenado a 21 anos de prisão.

O ex-presidente, um empresário bilionário que venceu as eleições de 2009 com um discurso contra a corrupção e os políticos tradicionais, acumula agora cerca de 20 investigações contra ele.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP