AFP

O candidato pelo Partido Socialista, Benoît Hamons, em Paris, em 23 de abril de 2017

(afp_tickers)

O candidato da situação, Benoît Hamon, eliminado no primeiro turno das eleições presidenciais francesas, admitiu neste domingo que o Partido Socialista (PS) sofreu uma "sanção histórica".

"A luta continua", declarou Hamon, após a publicação dos primeiros resultados, que lhe atribuíram entre 6% e 7% dos votos, configurando, portanto, sua eliminação.

Admitindo o que chamou de um "desastre", o vencedor das primárias organizadas pelos socialistas e seus aliados, assumiu "a plena responsabilidade" pelos resultados.

"Esta derrota é um golpe profundo", admitiu Hamon, acrescentando que apesar dos resultados, "a esquerda não está morta".

Hamon pediu voto para o candidato de centro Emmanuel Macron.

AFP

 AFP