Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(22 jul) Subianto acena para simpatizantes em Jacarta

(afp_tickers)

O candidato derrotado nas eleições presidenciais na Indonésia, Prabowo Subianto, vai impugnar os resultados ante o Tribunal Constitucional por suspeitas de fraude, indicou um porta-voz nesta quarta-feira.

Na terça-feira seu rival, Joko Widodo, foi proclamado oficialmente vencedor.

"Estamos preparando nossa denúncia ante o Tribunal Constitucional", declarou Tantowi Yahya, um porta-voz da equipe do controverso ex-general Prabowo Subianto.

Segundo os resultados oficiais da comissão eleitoral, o governador de Jacarta e reformista Joko Widodo venceu as presidenciais de 9 de julho com 53,15% dos votos.

Já Prabowo Subianto obteve 46,85% dos votos e a participação foi de quase 71%.

Prabowo havia anunciado na terça-feira que rejeitava a eleição e se retirava do processo antes mesmo do anúncio oficial dos resultados, mas finalmente decidiu levar o caos ao Tribunal Constitucional, que precisa se pronunciar antes do fim de agosto.

Para o analista Yohanes Sulaiman, é pouco provável que Prabowo seja declarado vencedor porque há uma grande margem de votos entre os dois candidatos, um pouco mais de seis pontos percentuais, ou seja, mais de 8 milhões de cédulas.

"Não penso que Prabowo vá ao Tribunal para ser declarado vencedor. Acredito que deseja apresentar provas de fraude para que o Tribunal decida realizar novas eleições", declarou à AFP Sulaiman.

A vitória de Joko Widodo, um ex-vendedor de móveis de família humilde e sem vínculo algum com os regimes autocráticos do passado, marca a chegada de uma nova geração de políticos no maior país muçulmano do mundo, com quase 250 milhões de habitantes.

Joko Widodo é considerado um líder honesto, ao contrário de outros políticos do país, um dos mais corruptos do mundo.

Prabowo Subianto, ex-genro do ditador Suharto, que esteve no poder até 1998, reconheceu ter sequestrado militantes pró-democráticos nesta época. Este militar de 62 anos, que depois se tornou rico nos negócios, afirmou recentemente que a democracia, tal como é conhecida no Ocidente, não está adaptada à Indonésia.

AFP