Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Velásquez apresentou 10 atas ao total - nas quais são impressos os resultados de cada máquina de votação - nas quais, afirmou, há evidências de que o CNE somou ao total do governador eleito, Justo Noguera, votos não existentes

(afp_tickers)

Um candidato opositor ao governo de Bolívar, no sul da Venezuela, anunciou nesta sexta-feira (20) que contestará os resultados da eleição nesse estado, afirmando ter provas de uma suposta fraude que provocou sua derrota.

"Eu ganhei as eleições. Hoje apresentarei diante do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) um recurso hierárquico no qual exijo que seja feita a correção. Também preparamos um documento de impugnação", disse Andrés Velásquez em coletiva de imprensa.

Velásquez apresentou 10 atas ao total - nas quais são impressos os resultados de cada máquina de votação - nas quais, afirmou, há evidências de que o CNE somou ao total do governador eleito, Justo Noguera, votos não existentes.

"Tínhamos testemunhas nas zonas mais remotas, o que nos permitiu ter a evidência (...). Atas foram forjadas para alterar o resultado eleitoral", ressaltou.

Em um dos documentos apresentados, Velásquez mostra ter obtido 61 votos e Noguera 138, mas, segundo o opositor, os resultados apresentados pelo CNE em sua página na internet lhe atribuem 45 votos, contra 502 ao candidato chavista.

O ex-deputado, que perdeu por 1.471 votos, é um veterano político que já governou Bolívar e milita no La Causa R, um partido de esquerda que integra a coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

"Estamos diante de uma enorme fraude eleitoral: essa é a prova", comunicou o dirigente, que concorreu à presidência venezuelana em 1993.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP