Navigation

Candidato presidencial na Bolívia desafia indicado por Evo Morales para debate

O candidato presidencial boliviano do partido do Movimento pelo Socialismo (MAS), Luis Arce, é recebido por apoiadores durante um comício de campanha em 9 de setembro de 2020 em El Alto, Bolívia, antes das eleições gerais de 18 de outubro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. setembro 2020 - 00:16
(AFP)

O candidato centrista à presidência da Bolívia, Carlos Mesa, desafiou para um debate o esquerdista Luis Arce, apoiado pelo ex-presidente Evo Morales, com quem está empatado nas urnas para as eleições de 18 de outubro.

“Quero debater com Luis Arce, um debate sobre economia e saúde”, disse Mesa. “Espero que Luis Arce aceite o debate quando quiser, na mídia que quiser”, disse o ex-presidente (2003-2005) em um vídeo postado em sua conta no Twitter.

Arce e Mesa estão empatados na primeira posição das intenções de voto para as eleições de outubro com 23%, seguidos pela presidente interina de direita Jeanine Áñez, com 12%, e o ex-líder comunitário de direita da região de Santa Cruz (leste), Luis Fernando Camacho, com 6%. Outros quatro candidatos estão abaixo de 3%.

“O importante é se opor às ideias”, disse Mesa. Nem Arce nem seu partido, o Movimento pelo Socialismo (MAS), fizeram qualquer comentário.

Os debates públicos entre os candidatos presidenciais, antes das eleições, eram práticas comuns até 2005.

Para retomar a disputa entre os candidatos para as eleições do próximo mês, várias organizações os convidaram a debater as propostas de governo no domingo, 4 de outubro, paralelamente ao desafio de Mesa a Arce.

A entidade profissional National Press Association, a associação patronal Confederación de Empresarios Privados de Bolivia, a ONG Jubileo e a estatal Universidad Mayor de San Andrés enviaram convites a todos os candidatos e aguardam a presença dos oito aspirantes.

As votações presidenciais e legislativas deste ano substituem as disputadas eleições de outubro de 2019, que geraram protestos que levaram à renúncia de Morales após quase 14 anos no poder.

Se nenhum candidato atingir 50% mais 1 dos votos ou obter mais de 40%, com 10 pontos de diferença em relação ao segundo haverá um segundo turno em 29 de novembro.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.