Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Opositores marcham em Caracas, no dia 29 de maio de 2017

(afp_tickers)

As candidaturas para a Assembleia Constituinte proposta pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, serão definidas em duas semanas, anunciou nesta terça-feira a presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena.

Depois de se inscrever no site do CNE entre quarta e quinta-feira, os candidatos a legisladores deverão entregar os requisitos entre os dias 6 e 10 de junho, disse Lucena em uma declaração pública.

Isto inclui assinaturas de 3% dos eleitores do município ao qual estão concorrendo, acrescentou.

"Devemos preencher todos os requisitos para que a Junta Nacional Eleitoral possa avaliar essas candidaturas para permitir ou recusar as candidaturas entre 11 e 15 de junho", indicou Lucena.

A reitora recordou que haverá duas formas de se candidatar: a territorial, onde a votação será por municípios, e outra por setores sociais como estudantes, camponeses e empresários.

O trâmite, que será realizado entre quarta e quinta-feira, consiste em cada candidato se registrar no site do CNE e especificar o município ou setor social pelo qual se apresenta.

O sistema montará uma planilha para recolher as assinaturas de apoio e indicará quantas são necessárias.

A Assembleia será composta por 545 legisladores que reformarão a Constituição em um período de tempo não determinado.

No total, 364 serão escolhidos por votação territorial, 173 por setores sociais e oito por comunidades indígenas.

A oposição considera que a eleição é "fraudulenta" e busca apenas manter Maduro no poder.

Denuncia, entre outras coisas, que a votação setorial será realizada entre bases afins ao chavismo, enquanto a territorial outorgará mais peso ao voto oficialista pelo método da divisão de cadeiras.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP