Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Opositores marcham em Caracas, no dia 29 de maio de 2017

(afp_tickers)

As candidaturas para a Assembleia Constituinte proposta pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, serão definidas em duas semanas, anunciou nesta terça-feira a presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena.

Depois de se inscrever no site do CNE entre quarta e quinta-feira, os candidatos a legisladores deverão entregar os requisitos entre os dias 6 e 10 de junho, disse Lucena em uma declaração pública.

Isto inclui assinaturas de 3% dos eleitores do município ao qual estão concorrendo, acrescentou.

"Devemos preencher todos os requisitos para que a Junta Nacional Eleitoral possa avaliar essas candidaturas para permitir ou recusar as candidaturas entre 11 e 15 de junho", indicou Lucena.

A reitora recordou que haverá duas formas de se candidatar: a territorial, onde a votação será por municípios, e outra por setores sociais como estudantes, camponeses e empresários.

O trâmite, que será realizado entre quarta e quinta-feira, consiste em cada candidato se registrar no site do CNE e especificar o município ou setor social pelo qual se apresenta.

O sistema montará uma planilha para recolher as assinaturas de apoio e indicará quantas são necessárias.

A Assembleia será composta por 545 legisladores que reformarão a Constituição em um período de tempo não determinado.

No total, 364 serão escolhidos por votação territorial, 173 por setores sociais e oito por comunidades indígenas.

A oposição considera que a eleição é "fraudulenta" e busca apenas manter Maduro no poder.

Denuncia, entre outras coisas, que a votação setorial será realizada entre bases afins ao chavismo, enquanto a territorial outorgará mais peso ao voto oficialista pelo método da divisão de cadeiras.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP