AFP

O cantor americano Barry Manilow, de 73 anos, reconheceu publicamente nesta quarta-feira sua homossexualidade e afirmou que manteve oculta sua relação com um homem durante quase quatro décadas para não decepcionar seus fãs

(afp_tickers)

O cantor americano Barry Manilow, de 73 anos, reconheceu publicamente nesta quarta-feira sua homossexualidade e afirmou que manteve oculta sua relação com um homem durante quase quatro décadas para não decepcionar seus fãs.

Conhecido por suas canções "Mandy" e "Copacabana", Manilow confirmou sua sexualidade dois anos depois de os meios de comunicação descobrirem que se casou com seu representante, Garry Kief.

"Pensei que os decepcionaria [seus fãs] se soubessem que sou gay. Assim, nunca lhes disse", contou o artista em uma entrevista à revista americana People.

Mas seus fãs lhe deram todo o apoio ao saber da notícia.

"Estou muito agradecido por ter fãs tão maravilhosos que me apoiam", tuitou.

Manilow foi casado por pouco tempo com uma mulher que conheceu no ensino médio, mas a relação não deu certo porque era muito jovem, não pelas dúvidas por sua sexualidade, segundo contou à People.

Em 1978 conheceu Kief, que era produtor de televisão na época.

"Sabia que era ele", afirmou. "Fui muito sortudo. Me sentia muito sozinho antes" de conhecê-lo, explicou.

Manilow ficou famoso na década de 1970, muitos anos antes de as estrelas do pop falarem abertamente sobre sua homossexualidade.

Nos últimos anos protagonizou seu próprio espetáculo em Las Vegas.

Este mês lança "This is my town", um disco com canções dedicadas a Nova York, sua cidade natal.

AFP

 AFP