Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro venezuelano das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, em Caracas, em 19 de agosto de 2017

(afp_tickers)

A Colômbia passou a ser o "Caim da América" e o "centro de uma conspiração" contra a Venezuela, denunciou nesta segunda-feira o governo de Nicolás Maduro, ao rejeitar a oferta de asilo que a ex-procuradora-geral Luisa Ortega recebeu do governo colombiano.

"Bogotá se tornou o centro da conspiração contra a democracia e a paz na Venezuela. Vergonha histórica do 'Caim da América'", assinalou o chanceler Jorge Arreaza no Twitter.

O ministro chamou de "cínica" a decisão do governo do presidente Juan Manuel Santos de receber Ortega e oferecer asilo a ex-procuradora, afirmando que Bogotá "protege a corrupção e o crime na Venezuela".

"O que se pode esperar de um governo que protege o chefe do Golpe de Estado de 2002 contra o comandante (Hugo) Chávez?!" - declarou o chanceler em referência ao empresário Pedro Carmona, asilado na Colômbia.

Ortega e seu marido, o deputado chavista Germán Ferrer, chegaram à Colômbia na sexta-feira após escaparem da Venezuela denunciando perseguição do governo.

A procuradora-geral foi destituída no dia 5 de agosto pela Assembleia Constituinte, transformada em poder soberano na Venezuela, três meses após romper com Maduro.

Ferrer teve a prisão decretada na Venezuela sob a acusação de liderar uma rede de extorsão a empresários a partir da Procuradoria, após a Constituinte derrubar sua imunidade parlamentar.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP