Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Caracol gigante que se alimenta de estrelas-do mar pode ser usado para salvar a Grande Barreira de Coral na Austrália

(afp_tickers)

Um caracol gigante que se alimenta de estrelas-do-mar pode ser usado para salvar a Grande Barreira de Coral - anunciaram autoridades australianas nesta segunda-feira (18), acrescentando que pretendem lançar um plano para o cultivo dessas espécies.

Incluída em 1981 no Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), a Grande Barreira se estende sobre uma superfície de 345.000 km2 ao longo da costa australiana e é maior conjunto de corais do mundo, com 3.000 tipos de recifes e centenas de ilhas tropicais.

Agora, está ameaçada pelo branqueamento dos corais causado pela mudança climática, pelas atividades industriais, ou agrícolas, e também pela nociva e invasiva estrela-do-mar "coroa-de-espinhos" (Acanthaster planci).

Podendo chegar a até um metro de diâmetro, esses gastrópodes se alimentam quase que exclusivamente de corais e expelem um veneno tóxico para o homem.

Seu impacto na Grande Barreira é significativo, de acordo com um estudo de 2012. A pesquisa aponta que 42% do dano sofrido pelos corais nos últimos 27 anos se deve a essa praga.

Um estudo do Instituto Australiano de Ciências Marinhas (AIMS) mostrou que as estrelas-do-mar evitam as áreas do Pacífico onde vive o tritão-do-Pacífico (Charonia tritonis), um de seus predadores.

- Reduzir a perda de corais -

Com uma espetacular carapaça que pode chegar a até 50 centímetros de comprimento, esse caracol-do-mar tem um olfato muito desenvolvido, podendo detectar suas presas apenas pelo cheiro. A investigação mostrou que os caracóis têm uma predileção pelas estrelas, mas conseguem comer apenas algumas poucas por semana.

O número desses animais marinhos tem sofrido um declínio, já que são muito procurados pela pesca por causa de suas conchas. Isso levou o governo australiano a anunciar um fundo para investigar como reproduzi-los.

"As possibilidades que esse projeto abre são muito emocionantes", disse o parlamentar federal de Queensland, Warren Entsch.

"Se for bem-sucedida, essa pesquisa permitirá aos cientistas ver qual é o impacto dos caracóis gigantes nas estrelas 'coroa-de-espinhos' e provar seu potencial como uma ferramenta para reduzir a perda dos corais", completou.

Os tritões gigantes que estão nos laboratórios do AIMS já depositaram vários ovos que permitiram, no último mês, o nascimento de mais de 100 mil larvas. O conhecimento sobre seu ciclo de vida ainda é, porém, muito limitado.

O AIMS levou dois anos para conseguir capturar oito tritões gigantes.

"Ainda não sabemos muito sobre eles - o que comem, se são noturnos, ou não... E é a primeira vez que tentamos fazer um trabalho de criação em aquicultura", declara a ecóloga Cherie Motti, responsável pela pesquisa.

O trabalho se concentrará no desenvolvimento de larvas, com o objetivo de soltar especímen de tritões gigantes nos períodos em que as estrelas-do-mar invadem os recifes.

"Se pudermos ter um predador natural capaz de fazer nosso trabalho, já será um resultado muito bom", afirma Motti.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP