Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cardeal coloca mitra durante missa da Semana Santa, no Vaticano, em 13 de abril de 2017

(afp_tickers)

Um ano depois do papa anunciar que é a favor de que alguns divorciados que se casaram de novo possam comungar, quatro cardeais conservadores denunciaram em uma carta o que consideram um ataque à unidade da Igreja católica por parte do papa.

"O que é um pecado na Polônia é correto na Alemanha, o que é proibido na arquidiocese da Filadélfia é lícito em Malta, e assim por diante", protestou dom Carlo Caffarra na carta, assinada também por outros três guardiões intransigentes do dogma milenar, Raymond Burke, Walter Brandmüller e Joachim Meisner.

A carta foi escrita em 25 de abril e entregue ao papa no início de maio, mas não houve nenhuma resposta, de modo que seus autores decidiram torná-la pública, informou o vaticanista Sandro Magister, que publicou o texto nesta terça-feira no site da revista italiana L'Espresso.

Estes quatro cardeais já tinham enviado, no outono boreal, uma carta explosiva ao pontífice, na qual o acusavam de ter semeado a confusão e exigiam uma resposta às suas "dúvidas" sobre as recomendações relativas à família publicadas em abril.

Nesta recomendações, o papa argentino assegurava que queria abrir a Igreja aos fiéis "em situação irregular", como os divorciados que voltaram a se casar no civil, que em alguns casos podem agora receber a comunhão.

Decidir quem pode comungar e quem não pode cabe aos bispos, o que deu lugar a disparidades locais.

Para os quatro cardeais que assinaram a carta, o matrimônio católico é indissolúvel e toda relação com uma nova companheira é um pecado mortal de adultério.

Assim, eles protestam contra "o acesso à santa eucaristia dos que vivem objetiva e publicamente em uma situação de pecado grave, e que pretendem continuar nela", mas também contra "uma concepção da consciência moral contrária à tradição da Igreja".

Os quatro cardeais mencionam uma "situação grave, na que várias comunidades cristãs estão se dividindo" e pedem de novo ao papa uma audiência que ele ainda não lhes concedeu.

AFP