Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Polícia bloqueia avenida em Sept-Sorts, 55km a leste de Paris, no dia 14 de agosto de 2017, matando uma adolescente de 13 anos

(afp_tickers)

Uma menina de 13 anos morreu nesta segunda-feira, quando um carro invadiu uma pizzaria na periferia de Paris, e as primeiras declarações do motorista "permitem descartar a pista terrorista", afirmaram autoridades.

O suspeito, detido após os fatos, teria a intenção de se suicidar, segundo uma fonte judicial.

Ele invadiu com um carro a entrada de uma pizzaria na localidade de Sept-Sorts, a leste de Paris, no departamento de Seine-et-Marne, segundo o Ministério Público de Meaux.

Uma menina de 13 anos, e não de oito como foi indicado em um primeiro momento, "morreu", indicou o porta-voz do Ministério do Interior, Pierre-Henry Brandet, à emissora de televisão BFMTV.

"Outras quatro pessoas estão em estado gravíssimo e três levemente" feridas, acrescentou.

O irmão mais novo da menina falecida é um dos gravemente feridos e seu prognóstico é complicado, informou a Gendarmeria.

De acordo com o MP de Meaux, tratou-se de um "ato deliberado", mas "a priori, [não tem] nada a ver com um ato terrorista".

As primeiras declarações do homem detido "permitem descartar a pista terrorista", afirmou uma fonte judicial.

O homem, nascido em 1985, não era um "desconhecido para os serviços de Inteligência e para a Justiça", declarou Brandet.

Dirigindo uma BMW, o homem declarou "ter tentado por fim a seus dias, sem sucesso ontem [domingo]. Ele teria decidido tentar de novo desta maneira", acrescentou a fonte judicial.

Os atos aconteceram em um contexto de forte ameaça terrorista na França e cinco dias depois de um ataque executado com um carro contra um grupo de militares em Levallois-Perret, na periferia de Paris.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP