Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A porta-voz Sarah Huckabee, em entrevista coletiva na Casa Branca, em Washington, em 11 de julho de 2017

(afp_tickers)

A Casa Branca condenou, neste sábado (15), o ataque cometido ontem em Jerusalém e pediu "tolerância zero com o terrorismo".

"Os Estados Unidos condenam energicamente o ataque terrorista", declarou a Presidência em nota sobre o episódio, um dos mais graves registrados nessa cidade nos últimos anos.

"Deve haver tolerância zero com o terrorismo", acrescentou o comunicado.

"É incompatível com a obtenção da paz, e temos de condená-lo nos termos mais fortes, derrotá-lo e erradicá-lo", considerou a Casa Branca.

Ontem, três árabes israelenses mataram dois policiais a tiros na Cidade Antiga de Jerusalém, fugindo, em seguida, para perto da Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar santo do Islã. Lá, foi abatido pela Polícia.

Em consequência do ataque, as autoridades israelenses tomaram a incomum decisão de fechar a mesquita de Al-Aqsa, situada nessa esplanada, e local das orações de sexta-feira. A medida gerou mal-estar entre muçulmanos e jordanianos, que administram o lugar.

"Israel garantiu ao mundo que não tem intenção de alterar o status desse lugar sagrado. Uma decisão que os Estados Unidos aplaudem e saúdam", completou a Casa Branca.

Hoje, o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, anunciou que a Esplanada das Mesquitas reabre no domingo.

"Decidiu-se reabrir o Monte do Templo [como o lugar é chamado pelos judeus] progressivamente amanhã [domingo] para os fiéis, os visitantes e os turistas", afirma a nota divulgada por seu gabinete.

AFP