Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O conselheiro de Segurança Nacional, H.R. McMaster, em Washington DC, em 25 de agosto de 2017

(afp_tickers)

A Casa Branca descartou uma eventual operação militar contra a Venezuela no futuro próximo no mesmo dia em que decretou sanções financeiras que proíbem negociar bônus soberanos e da estatal PDVSA.

"Avaliamos uma ampla gama de opções. Qualquer decisão será tomada em acordo com nossos parceiros na região. Nenhuma ação militar está proposta no futuro próximo", declarou o general HR McMaster, assessor de segurança nacional do presidente Donald Trump.

"Nunca antes havíamos estado tão em sintonia com nossos parceiros na América Latina", destacou o general, ao evocar a recente viagem do vice-presidente Mike Pence para Colômbia, Argentina, Chile e Panamá.

A possibilidade de uma ação militar sobre a Venezuela foi evocada há duas semanas por Trump, mas essa opção foi rechaçada pelos países da América Latina, incluindo os mais críticos a Maduro.

Em resposta a essas declarações de Trump, a Venezuela prepara para este fim de semana exercícios militar dos quais participarão 200.000 efetivos da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) e outros 700.000 milicianos, reservistas e civis.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP