Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Casa Branca diz que jornalista que chamou Trump de supremacista branco deveria ser demitido

(afp_tickers)

A Casa Branca afirmou nesta quarta-feira que uma jornalista do canal de esportes ESPN deveria ser demitida por ter chamado o presidente americano, Donald Trump, de "supremacista branco" no Twitter.

"É um dos comentários mais escandalosos que se pode fazer e acho que para a ESPN certamente este é um motivo de demissão", comentou a porta-voz da presidência, Sarah Huckabee Sanders, interrogada sobre a mensagem de Jemele Hill, apresentadora do Sportscenter, o programa mais importante do canal.

Originária de Detroit, a jornalista negra escreveu na segunda-feira que Trump era "o presidente mais ignorante, ofensivo (já visto em toda a sua) vida" e acrescentou que ele é "um supremacista branco rodeado amplamente por outros supremacistas brancos".

Estas declarações acontecem em um momento em que o presidente é acusado de não ter sido firme o suficiente em condenar o encontro de membros da extrema direita em Charlottesville, em meados de agosto, que acabou com a morte de uma mulher de 32 anos, atropelada por um simpatizante neonazista.

Os conservadores americanos também criticam o canal de esportes por seus comentários demasiadamente políticos.

Diante das críticas, a ESPN, que pertence à Disney, afirmou em um comunicado que os comentários de sua jornalista "não refletem a posição da ESPN", assegurando que Jemele Hill tinha "reconhecido que seu ato estava fora de lugar".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP